Napoleão Nunes Maia Filho recebe homenagem em sua última sessão na Primeira Turma – STJ

​A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) prestou homenagem ao ministro Napoleão Nunes Maia Filho na sessão desta terça-feira (15), que marcou sua despedida do colegiado. Ele se aposenta neste mês.

O presidente da turma, ministro Gurgel de Faria, entregou a Napoleão uma placa de agradecimento “pelo fraterno e enriquecedor convívio”. Ele destacou a influência das raízes nordestinas do ministro na sua trajetória como magistrado: “Sempre exerceu a judicatura no sentido de que a justiça deve ter um olhar especial para os mais frágeis”.​​​​​​​​​

Na sessão por vídeo, o ministro Napoleão (embaixo, à direita) recitou trecho de um poema seu: “Feliz porque nasci e feliz porque envelheço. Hei de ter no meu fim a glória do começo”. | Foto: Gustavo Lima / STJ

Como o mais antigo da Primeira Turma, o ministro Benedito Gonçalves falou em nome dos colegas, enaltecendo a independência de Napoleão Nunes Maia Filho. “A independência dos juízes é um privilégio duro que impõe, a quem dele goza, a coragem de ficar só consigo mesmo. O STJ se orgulha de contar na sua história com esse grande magistrado”, ressaltou.

Também renderam homenagens ao ministro Napoleão o subprocurador-geral da República Brasilino Pereira dos Santos, o ministro aposentado Nilson Naves e a equipe de servidores de seu gabinete.

Justiça acima​​​ de tudo

O ministro Napoleão Nunes Maia Filho brincou com o fato de, muitas vezes, ser voto vencido nos julgamentos. “Tenho absoluta certeza de que muitos que divergem de mim, no íntimo, pensam assim: ‘esse camarada tem razão´”, disse.

Ele afirmou que, em seus votos, sempre buscou lançar nas mentes e nos corações a ideia de que o objeto do processo não é a aplicação da lei, e sim a realização da justiça.

“Às vezes, para se alcançar a justiça, é preciso deixar a lei de lado. A justiça não cabe nas leis escritas. O sistema positivo é manifestamente insuficiente para dar conta do direito”, declarou.

Ao finalizar, ele compartilhou uma mensagem de agradecimento e de esperança, de um poema de sua autoria: “Amei, sofri, vivi. Tenho o mesmo apreço; o que o gozo me deu e o que me deu a dor. Chego ao inverno após o outono benfeitor; feliz porque nasci e feliz porque envelheço. Hei de ter no meu fim a glória do começo. Não me verão chorar no dia em que me for”.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/ZgP8AsHHaCM/15122020-Napoleao-Nunes-Maia-Filho-recebe-homenagem-em-sua-ultima-sessao-na-Primeira-Turma.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Corte Especial reconhece retratação de desembargadora acusada de ofender Marielle Franco – STJ

​Em decisão unânime, a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ) declarou nesta quarta-feira …