Senado aprova novos critérios de autorização para transporte rodoviário — Senado Notícias

Em sessão nesta terça-feira (15), o Plenário do Senado aprovou o projeto que estabelece uma série de regras de outorga para a autorização para o transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros (PL 3.819/2020). De iniciativa do senador Marcos Rogério (DEM-RO), a matéria foi aprovada na forma do substitutivo apresentado pelo relator, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), e agora segue para a análise da Câmara dos Deputados.

A votação da proposta foi adiada várias vezes nos últimos meses. Pelo texto original, seria restabelecida a obrigatoriedade de licitações para o transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros. O governo, no entanto, preferia a manutenção da autorização, sob o argumento de que a modalidade agiliza a oferta de serviço por parte das empresas à população.

O relator disse que um acordo em torno do texto final foi elaborado após uma extensa discussão da matéria no âmbito do Senado, do Ministério da Infraestrutura e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Diante desse entendimento, destacou Gurgacz, houve a decisão pela manutenção da autorização, com a exigência de critérios mínimos.

Segundo Acir Gurgacz, quando é feita a comparação entre os regimes de permissão (com licitação) e autorização (sem licitação), é possível apontar “alguns dos benefícios advindos da autorização, como a diminuição das barreiras de entrada e dos custos operacionais, além da redução das tarifas pagas pelos usuários por meio do aumento da concorrência”. Além disso, acrescentou o relator, existe um alto potencial de criação de novas rotas, frequências e horários hoje inexistentes, “que apenas a livre concorrência e a ausência de barreiras à entrada podem promover”.

Em seu relatório, Acir destacou que “as rotas de interesse social, de médias e longas distância, e sem apelo econômico poderão ser objeto de tratamento especial, de maneira que a população não fique desamparada. Para isso, a ANTT terá papel importantíssimo ao promover estudos e identificar tais rotas”.

Substitutivo

De acordo com o previsto no substitutivo, que faz alterações  na Lei 10.233, de 2001, as empresas interessadas deverão observar algumas exigências para solicitar a autorização das linhas desejadas, como a indicação de mercado pretendido, itinerários, rotas, características técnicas e de segurança, e o estudo de viabilidade econômica. Salvo no caso de inviabilidade técnica, operacional e econômica, não haverá limite para o número de autorizações. O texto também eliminou a cobrança de taxa de fiscalização da ANTT para o transporte rodoviário coletivo interestadual e internacional de passageiros.

O texto prevê um capital social mínimo de R$ 2 milhões para as empresas interessadas e penalização pecuniária de R$ 3 mil, no máximo, para infrações às normas do setor.  As multas aplicadas até a data de publicação da futura lei serão convertidas em advertência, desde que, como contrapartida, os valores correspondentes sejam investidos para garantir o adequado atendimento ao serviço. Com a lei, o valor das multas será direcionado para ações de fiscalização e educação relacionadas ao transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros. Outras exigências serão regulamentadas pelo Executivo.

O relator ainda incluiu artigo para suspender as autorizações concedidas após 30 de outubro de 2019 até a data da publicação da nova lei. “As autorizações em vigor até esta data (antes da Deliberação 955 da ANTT) não devem ser interrompidas, dada a sua relevância, pois são atividades imprescindíveis à coletividade e garantidoras do direito de locomoção dos usuários”, diz o relator. Para Gurgacz, a Deliberação 955 possibilitou a concessão de autorizações “sem qualquer critério” e desequilibrou o sistema.

Contrários

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) registrou voto contrário. Ele reclamou que o projeto foi incluído na pauta de última hora. Para o senador, o projeto pode dificultar a entrada de pequenas empresas no setor e prejudicar os usuários. Também se manifestaram contrários os senadores Jorge Kajuru (Cidadania-GO), Soraya Thronicke (PSL-MS), Rose de Freitas (Podemos-ES), Oriovisto Guimarães (Podemos-PR) e Fabiano Contarato (Rede-ES).

Na visão do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), a matéria deveria ter uma análise mais aprofundada nas comissões. Ele disse que o projeto poderia esperar o fim da pandemia e retornar ao debate quando o Congresso estivesse em “funcionamento pleno”.

— Este projeto não tem urgência e pode criar instabilidades no setor de transportes. Registro aqui meu voto contrário — declarou Randolfe.  

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2020/12/15/senado-aprova-novos-criterios-de-autorizacao-para-transporte-rodoviario.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Sessão especial destaca força da mulher brasileira — Senado Notícias

A força da mulher brasileira foi destaque na sessão remota realizada pelo Senado na tarde …