“Combate à corrupção não pode ser feito fora da lei e da Constituição”, diz Santa Cruz – OAB

O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, afirmou que
a Ordem possui papel central no combate à corrupção no Brasil, atuando em
passos fundamentais, como a Lei da Ficha Limpa, mas que combate aos crimes de
colarinho branco não pode se dar com ilegalidades ou com arbitrariedades. Santa
Cruz foi entrevistado, nesta quarta-feira (3), no programa de debates Manhattan
Connection, da TV Cultura. Participaram também o presidente do Senado, Rodrigo
Pacheco, e o economista Eduardo Gianetti, discutindo a realidade do país e os
problemas da pandemia.

Santa Cruz respondeu perguntas dos jornalistas Caio Blinder,
Lucas Mendes e Diogo Mainardi. O presidente nacional da OAB afirmou que a
história da entidade é a história da luta pela celeridade processual e pelo
acesso à justiça do povo brasileiro. “A realidade do Brasil é complexa. Temos
um país com 100 milhões de processos, é um esforço hercúleo da advocacia, mas
temos muito que caminhar ainda para termos um Poder Judiciário verdadeiramente
ligado ao cidadão”, afirmou.

O presidente da Ordem disse ainda que a busca pela
celeridade e por uma melhor prestação jurisdicional não pode ser em detrimento
da ampla defesa, do contraditório e das garantias constitucionais.

Questionado sobre a atuação da Lava Jato, Santa Cruz falou
sobre o desequilíbrio de forças na operação. “Qualquer advogado minimamente
informado via o desequilíbrio que havia entre a acusação e a defesa no âmbito
da operação Lava Jato. A OAB tem compromisso com o combate a corrupção. Fomos
nós que construímos a Lei da Ficha Limpa junto com a CNBB e outras entidades,
fomos nós que conseguimos no Supremo a limitação do financiamento privado de
campanha. São passos importantíssimos e a Ordem foi central nesses passos.
Agora, vemos que o combate à corrupção começou a se dar de forma ilegal, fora
dos limites da lei e da Constituição”, analisou.

Felipe Santa Cruz falou ainda que o papel da OAB é defender
a cidadania e o Estado Democrático de Direito. “O advogado nada mais faz do que
defender a garantia do indivíduo dada pela Constituição. O que está vindo a
público agora sobre a Operação Lava Jato é que houve conluio entre o Ministério
Público e a magistratura, delações que não foram corroboradas, e quebra da imparcialidade
do juiz. É isso que está corroendo o patrimônio da Lava Jato”, defendeu.

O presidente nacional da Ordem entende ainda que é
necessário aprimorar instrumentos e a legislação penal, punindo também excessos
que tenham sido cometidos no processo. “A Lava Jato e seus integrantes devem
responder como qualquer outro cidadão. Cabe a nós, agora, aprimorar a delação,
que deve ser acompanhada de outras provas, da garantia da ampla defesa, e cabe
ao Congresso aprimorar a legislação relativa ao Código Penal e ao Código de
Processo Penal. A ideia central do combate à corrupção é que somos todos iguais
perante a lei. Se cometeram desvios e abusos, é claro que respondem. O processo
penal existe para legitimar a pena; existe, em especial, para legitimar a pena
contra o culpado e esse também tem direito a um advogado”, afirmou.

Questionado sobre a quantidade excessiva de advogados no
Brasil, Santa Cruz reforçou o entendimento da Ordem contra a abertura de novos
cursos de direito. “Houve uma explosão de cursos de Direito, cursos muitas
vezes não acompanhados da devida qualificação do corpo docente e temos um
desequilíbrio enorme no mercado de trabalho. É uma situação muito difícil e de
falta de planejamento do Ministério da Educação. A OAB dá pareces contra a
abertura de novas vagas, mas temos quase um milhão de estudantes em sala de
aula (em cursos de Direito), o que é um estelionato contra esses jovens”,
encerrou.

Confira aqui a íntegra da entrevista

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/58712/combate-a-corrupcao-nao-pode-ser-feito-fora-da-lei-e-da-constituicao-diz-santa-cruz.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comissão promoverá debate internacional sobre desenvolvimento sustentável e transição digital – OAB

A OAB Nacional, por meio da Comissão Nacional de Relações Internacionais (CNRI), vai promover uma …