Ideais do Dia Internacional da Mulher integram o cotidiano do Tribunal da Cidadania – STJ

A luta das mulheres para conquistar espaços e consolidar direitos – celebrada em todo o mundo na data de 8 de março, Dia Internacional da Mulher – repercute também no Superior Tribunal de Justiça (STJ), cujo papel de Tribunal da Cidadania inclui um movimento interno para a concretização do ideal de igualdade de gênero.

Desde 2019, várias iniciativas vêm sendo adotadas na corte para assegurar o equilíbrio de oportunidades entre servidoras e servidores, valorizar a mulher e prevenir casos de assédio, violência ou discriminação.

O presidente do STJ, ministro Humberto Martins, reforça que o desenvolvimento das instituições depende da eliminação de barreiras sociais e culturais que impedem as mulheres de atingir seus potenciais e construir uma nova sociedade. “A contribuição feminina é incalculável e deve ser reverenciada”, afirmou.

Nesta segunda-feira (8), o talk show OrnPoder é Delas: Desafios e realidade inaugura a programação do Mêsrnda Mulher no tribunal. O evento será transmitido pelo canal do STJ no YouTube,rna partir das 16h.​

Mais par​​ticipação

No ano passado, o tribunal editou uma nova regulamentação (Instrução Normativa 16/2020) para o Programa de Participação Institucional Feminina no STJ – Equilibra, cujo foco é a adoção de diretrizes e ações para fortalecer a presença das mulheres na instituição e na sociedade.

Atualmente, as servidoras do STJ ocupam 51,59% das funções comissionadas e dos cargos em comissão, com atribuições de direção, chefia e assessoramento.

Criado em 2019, o Equilibra já promoveu uma série de ações na corte, como rodas de conversa e debates sobre temas variados. Recentemente, o STJ organizou o seminário Trajetórias e Desafios das Mulheres no Judiciário.

Uma das participantes do encontro foi Sandra Silvestre, juíza auxiliar do gabinete da Secretaria-Geral da Presidência e coordenadora do Equilibra STJ. Ela, que integra o Tribunal de Justiça de Rondônia há 25 anos, falou sobre as dificuldades enfrentadas no exercício da magistratura: “A caminhada das mulheres é longa. Há muitas adversidades para conciliar as responsabilidades profissionais com a maternidade e a vida em família. Precisamos nos questionar mais: que preço é esse que a mulher tem que pagar para ter uma carreira?”

Eles po​​r Elas

No mesmo evento, o presidente do STJ assinou uma parceria com a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres), aderindo ao protocolo HeforShe (Eles por Elas) – movimento global que busca envolver os homens na luta feminina contra a desigualdade de direitos e oportunidades. “O protagonismo e as conquistas femininas ao longo da história contribuíram para a formação de instituições sólidas e transparentes”, declarou Martins.

Em agosto do ano passado, sob o comando da então ouvidora do tribunal, ministra Assusete Magalhães, foi criada a Ouvidoria das Mulheres, integrada à Ouvidoria do STJ (OUV), com o objetivo de ser o canal de escuta ativa das magistradas, servidoras, estagiárias e demais colaboradoras. Formalizada pela Instrução Normativa 12/2020, a iniciativa surgiu em meio à crise sanitária provocada pela Covid-19, que ampliou de forma significativa os níveis de violência doméstica contra as mulheres no país. Hoje, a função de ouvidor é exercida pelo ministro Sérgio Kukina, escolhido em novembro de 2020.

A ouvidora auxiliar, Tatiana Estanislau, informou que, desde o início do ano, a OUV tem promovido oficinas para capacitar seus servidores em atendimento, com o apoio da Seção de Assistência Psicossocial do STJ. “O ministro Kukina também pretende realizar ações para troca de experiências e a eventual formação de uma rede de apoio com outros órgãos ligados ao combate à violência doméstica. Já estamos elaborando um plano de comunicação para divulgação dos meios e formas de contato”, disse ela.

Mundo m​​ais justo

A Secretaria de Serviços Integrados de Saúde (SIS) do tribunal também promove regularmente campanhas e ações educativas voltadas para a saúde física e mental feminina. Além de rodas de conversa conduzidas por psicólogos e assistentes sociais, vinculadas ao Programa Equilibra – HeForShe, a unidade realiza anualmente a campanha Outubro Rosa, para conscientizar a população sobre a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de mama. O tribunal disponibiliza ainda um canal de comunicação (via e-mail) para o acolhimento e o atendimento de mulheres vítimas de assédio.

O Dia Internacional da Mulher foi instituído pela Organização das Nações Unidas, em 1975, e representa hoje um símbolo da luta das mulheres por avanços fundamentais na sociedade – entre eles, a igualdade e o fim da discriminação e da violência de gênero. Muito mais do que uma simples efeméride, a data convida todos para uma reflexão a respeito da responsabilidade de homens e mulheres na construção de um mundo mais justo e fraterno.

O STJ está comprometido com a Agenda 2030, da Organização das Nações Unidas, e tem pautado suas ações no alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), fazendo as escolhas necessárias para melhorar a vida das pessoas, agora e no futuro. As informações desta matéria estão relacionadas ao ODS 5 Igualdade de Gênero – Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.​

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/VeYbK_IQlq0/07032021-Ideais-do-Dia-Internacional-da-Mulher-integram-o-cotidiano-do-Tribunal-da-Cidadania.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

STJ restabelece decisão do TRF1 ao retirar, tão somente, o aeroporto de Manaus do leilão da Anac – STJ

​​​​O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, restabeleceu medida cautelar do …