Nota em defesa da produção cultural nacional – OAB

A OAB tem em seus pilares a defesa dos direitos culturais constitucionais, conforme asseguram os direitos e garantias fundamentais esculpidos no artigo 5º, IX, combinado com os artigos 215, 216 e 216-A, todos da Constituição Federal.

Com isso em mente, a Comissão de Direitos Autorais e a Comissão de Cultura e Arte, do Conselho Federal da OAB manifestam extrema preocupação com a publicação da Portaria n. 124, de 04 de março de 2021, da Secretaria Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura, da Secretaria Especial de Cultura – Ministério do Turismo.

A Portaria é ilegal e contraproducente, contribuindo com o acelerado processo de desmonte do setor cultural do País. Ilegal, porque a análise é uma etapa de um processo administrativo regulado – que não prevê essa hipótese de interrupção na prestação do serviço público – e indica uma espécie de “filtro” capaz de inviabilizar grande parte das manifestações culturais. 

Contraproducente, porque compromete a estratégia de captação de recursos entre os patrocinadores, levando à mingua milhares de produtores culturais. Além disso, as medidas restritivas de controle à propagação do coronavírus são temporárias e em nada afetam a análise dos projetos, cujo represamento já atingiu níveis insuportáveis em um processo anterior à pandemia.

A interrupção das análises e publicações dos projetos culturais, que “envolvam interação presencial com o público”, supostamente em razão do descontrole sanitário que passa o País com a pandemia do Covid-19, revela desconhecimento da lei e desinteresse dos órgãos federais com o setor que deveriam proteger.

Inoportuna, portanto, a Portaria 124, que trará graves reflexos para um setor que, além de fundamental para o exercício da cidadania é economicamente relevante, pois responde por cerca de 4% do PIB e gera milhões de empregos, diretos e indiretos, dependentes dessas políticas de fomento.

O setor cultural vem sofrendo doloroso impacto com a pandemia e tem tentado se reinventar, apesar da virtual paralisação das políticas públicas na área e do descaso do governo federal. Ademais, a Portaria 124, gestada em um órgão de fomento do governo central levanta questões de improbidade administrativa que não podem ser ignoradas.

Lamentavelmente, a medida revela a reiterada hostilidade em face da produção cultural brasileira, marca da própria identidade nacional. Políticas de incentivo à arte são conquistas civilizatórias das quais não abrem mão países que almejam o prestígio internacional e comungam dos valores comuns às sociedades livres e democráticas. Ao agir dessa forma, o governo brasileiro se afasta do projeto de nação insculpido em nossa Constituição e agrava seu isolamento perante a comunidade internacional.

A OAB e as comissões abaixo subscritas repudiam a Portaria 124 e se insurgirão contra atos voltados ao desmantelamento do setor cultural. A Cultura é um valor constitucional e um direito fundamental.

Brasília, 08 de março de 2021.

Felipe de Santa Cruz Oliveira Scaletsky

Presidente do Conselho Federal da OAB

Comissão Especial de Direitos Autorais 

Comissão Especial de Cultura e Arte

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/58718/nota-em-defesa-da-producao-cultural-nacional.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comissão promoverá debate internacional sobre desenvolvimento sustentável e transição digital – OAB

A OAB Nacional, por meio da Comissão Nacional de Relações Internacionais (CNRI), vai promover uma …