Prioridade de senadores, projetos sobre vacinação aguardam sanção — Senado Notícias

Enquanto o Brasil enfrenta o pior momento da pandemia de covid-19, ultrapassando média de 1,5 mil mortes por dia, senadores têm priorizado a apresentação e análise de propostas para acelerar o processo de vacinação da população. Desde o início do ano legislativo, os estudos e discussões para viabilizar a compra, distribuição e imunização em massa têm se mantido em evidência na Casa e pelo menos três propostas aguardam sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro.

É o caso do PL 534/2021. Apresentado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, o texto facilita a compra de vacinas contra o coronavírus por empresas privadas e inclui a responsabilização da União por eventuais efeitos negativos dos imunizantes, uma das exigências das empresas nos contratos realizados em outros países. A proposta também permite que estados, Distrito Federal e municípios assumam a responsabilidade civil por eventuais efeitos adversos e estabelece que as regras previstas serão válidas pelo tempo que durar a pandemia.  

— Foi uma grande realização do Parlamento. Aguardamos de maneira muito otimista a sanção do projeto para que a gente aumente a escala de vacinação no Brasil. Para aquilo que nos propusemos a fazer, que é focar no aumento da escala da vacina, o Congresso Nacional tem contribuído — disse Pacheco em entrevista à Agência Senado após a conclusão da votação pela Câmara dos Deputados na semana passada. 

A preocupação dos senadores se justifica quando se verifica o mapa de vacinação no Brasil. Até a última atualização dos dados, na segunda-feira (8), 8,49 milhões de brasileiros receberam a primeira dose da vacina, o equivalente a 4,01% da população. Quando se observam aqueles que já tomaram as duas doses, esse percentual cai para 1,35% da população.

Distribuição uniforme

Outra iniciativa do Senado que aguarda sanção é o PL 4.023/2020. De autoria do senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) o texto estabelece distribuição uniforme de vacinas contra covid-19 em todo o território brasileiro. A proposta define critérios técnicos de distribuição, como dados demográficos, epidemiológicos e sanitários, e a transparência na disponibilização do produto, por meio de dados na internet. A matéria determina também que os grupos mais vulneráveis sejam priorizados na vacinação, inserindo essa obrigatoriedade na Lei 13.979, de 2020, que regula as ações emergenciais de enfrentamento à pandemia. A medida, segundo prevê o projeto, seguirá parâmetros científicos estabelecidos em regulamento e mantém a prerrogativa dos órgãos técnicos do Poder Executivo de estabelecer esses critérios.

Em outra frente, os parlamentares aprovaram a MP 1.026/2021, que facilita a compra de vacinas contra a covid-19. O texto, que também aguarda sanção, dispensa licitação e estabelece regras mais flexíveis para a aquisição de insumos e serviços necessários à imunização contra essa doença. Entre outras determinações a matéria estabelece que a aplicação de vacinas contra a covid-19 deve seguir o Plano Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde e autoriza estados e municípios a comprar e aplicar imunizantes caso a União não adquira doses suficientes para os grupos prioritários previstos.

Consórcio

Algumas medidas provisórias relacionadas à imunização contra a covid-19 também estiveram na lista de prioridades da pauta das duas Casas e já foram transformadas em lei.  A MP 1.003/2020, convertida na Lei 14.121, de 2021, autoriza o Brasil a aderir ao projeto Covax Facility que funciona como uma plataforma colaborativa financiada pelos países-membros que apoia a pesquisa, o desenvolvimento e a fabricação de uma ampla gama de vacinas. O consórcio anunciou em fevereiro que o Brasil deve receber 10,6 milhões de doses.

A adesão à Covax Facility deve ser feita por acordo de compromisso e por contratos de aquisição. O programa prevê o acesso global a vacinas contra o coronavírus. Os recursos para garantir a participação do Brasil nessa aquisição de vacinas também foram aprovados por meio de medida provisória. A MP 1.004/2020 libera R$ 2,5 bilhões do Ministério da Saúde para o Programa Nacional de Imunizações e a outras ações orçamentárias. Do total, R$ 1,68 bilhão foi autorizado para utilização na Covax Facility em janeiro.

Oxford

Já a Lei 14.107, de 2020, oriunda da MP 994/2020, obteve o apoio dos senadores para destinar R$ 1,9 bilhão para produção da vacina de Oxford. O valor, repassado por meio de crédito extraordinário para o Ministério da Saúde, foi direcionado especificamente para a vacina desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, na Inglaterra. Um acordo com a Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz) permite a transferência de tecnologia na formulação, no envase e no controle de qualidade da substância. A meta inicial é garantir 100 milhões de doses para o Brasil.

Sessões temáticas

A preocupação com o Plano Nacional de Imunização também foi um dos temas de sessões temáticas realizadas pelo Plenário já neste ano. Em fevereiro, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, teve que prestar esclarecimentos sobre ações do governo no combate à pandemia, em especial, detalhar o planejamento da pasta para imunização contra covid-19 no país. Cobrado pelos parlamentares, Pazuello prometeu que toda população será imunizada até o final do ano.

Outro debate ocorreu na semana passada com diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e representantes do Ministério da Saúde. Na ocasião, senadores de diversos partidos cobraram aos participantes da sessão temática a aprovação mais rápida de vacinas contra a covid-19. Por meio da MP 1.003/2020, os congressistas tentaram acelerar esse prazo estabelecendo cinco dias para a Anvisa aprovar o uso emergencial de vacinas contra a covid-19, mas o trecho foi vetado pelo presidente da República. Atualmente a Anvisa tem até dez dias para analisar os pedidos de uso emergencial de vacinas.

Como consequência desse último debate, Pacheco e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, encaminharam nesta terça-feira (9) ofício ao ministro da Saúde pedindo detalhes sobre a vacinação no país e a aquisição de insumos para a fabricação dos imunizantes autorizados em território nacional. Eles querem confirmar as informações prestadas pelos representantes da pasta e da Anvisa na sessão temática.  

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/03/09/prioridade-de-senadores-projetos-sobre-vacinacao-aguardam-sancao-presidencial.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Autorização para estados e municípios utilizarem saldos de fundos de saúde é renovada — Senado Notícias

O Senado aprovou nesta terça-feira (13) o Projeto de Lei Complementar (PLP) 10/2021, que estende …