No Mês da Mulher, servidoras do Judiciário discutem participação feminina em talk show promovido pelo STJ – STJ

“Devemos buscar um Estado Democrático de Direito eficiente e fraterno, em que cada instituição exerça o seu papel com a participação maciça das mulheres, dignificando as ações públicas e privadas em favor da prosperidade global”, declarou nesta quinta-feira (11) o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Conselho da Justiça Federal (CJF), ministro Humberto Martins, durante a abertura do talk show Mulheres que Inspiram. O evento virt​ual foi promovido como parte da programação especial do tribunal dedicada ao Mês da Mulher.

Em sua fala, o presidente da corte reafirmou o compromisso pessoal e institucional com a luta pela igualdade de oportunidades entre mulheres e homens. ­”O Judiciário deve refletir a mesma pluralidade existente na sociedade brasileira”, enfatizou.

Para Humberto Martins, além do sistema judicial, a plena e efetiva presença feminina na vida pública deve ser assegurada em todas as esferas de tomada de decisão. “O protagonismo das mulheres e as suas conquistas ao longo da história contribuem para a construção de instituições mais sólidas”, destacou o ministro.

Não te​​rceirizar

O talk show Mulheres que Inspiram, promovido com o objetivo de sensibilizar as mulheres sobre suas competências e sobre como alcançar a realização pessoal e profissional, teve como convidadas a deputada distrital Júlia Lucy e as servidoras do STJ Fernanda Zago e Thais Nerys, que apresentaram histórias de superação.

A deputada, que é servidora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e tem apresentado diversas propostas para facilitar a integração das mulheres no ambiente de trabalho, disse que se sentiu compelida a participar da política exatamente pela falta de representação feminina no Legislativo. Um estudo internacional indica que o Brasil ocupa apenas a 152ª posição em representação feminina no mundo político. “Mulheres devem se conscientizar de sua responsabilidade democrática e não terceirizar a responsabilidade política”, ressaltou.

Moradora da periferia do Distrito Federal quando jovem, ela foi mãe aos 17 anos, conquistou uma vaga no serviço público aos 18 e se formou em ciência política na Universidade de Brasília.

Júlia Lucy disse ter levado sua experiência de servidora pública para o Legislativo. “Não tenho compromisso com reeleição e tento servir o máximo de pessoas todo dia.” A parlamentar afirmou que, neste momento de pandemia, o Judiciário tem sido um exemplo e ficado ao lado da população. “Tenho visto situações dramáticas de mães solteiras que precisam trabalhar e deixam os filhos em casa sozinhos, pois as creches e escolas ainda estão fechadas.”

Júlia fundou a Rede Liga Delas, projeto que capacita mulheres em situação de vulnerabilidade social, e é autora do livro Manual do Candidato de Primeira Viagem – Do anonimato ao mandato. Atualmente, viaja pelo Brasil motivada a convencer as mulheres sobre a importância de ingressarem na política.

Moda dem​​ocrática

Thais Nerys passou no concurso para o CNJ, mas foi aproveitada no STJ. “Eu continuei estudando para concursos, mas, em 2018, resolvi focar em um assunto que sempre me interessou, que era a moda. Eu via que a moda era algo opressor, consumista e que excluía certas pessoas.” Nessa mesma época, ela engravidou e ficou sem saber se conseguiria realizar todos os seus projetos. Para Thais, esse dilema é muito comum entre as mulheres. “O STJ é um ambiente privilegiado, pois me deu a chance de retornar ao trabalho com calma, especialmente após minha gravidez, que foi de risco.”

Em seu blog, Deixa Florescer, ela estimula práticas de consumo consciente, empoderamento e manutenção da autoestima. “Eu acredito que a moda deve ser democrática e passar uma mensagem sobre a pessoa, seja no âmbito pessoal ou no profissional.”

Reinve​ntar-se

Fernanda Zago sofreu uma lesão na medula aos 16 anos e, desde então, tornou-se cadeirante. “Meu plano inicial era morar em Belo Horizonte e estudar lá. Porém, por necessitar de cuidados específicos, eu tive que me reinventar e fiz faculdade em Unaí, a cidade onde morava com minha mãe.” Fernanda afirmou que sempre teve “uma vontade irritante” de viver e continuou lutando para ter uma vida independente. “Comecei a participar de uma associação para pessoas com deficiência em Unaí, e isso me deu uma aprendizagem imensa.”

Em 2012, Fernanda Zago tomou posse no STJ. “Isso foi uma grande realização, e agradeço aos colegas e chefes por terem me recebido e apoiado.” Ela conta que sofreu situações de preconceito, por ser mulher e pela deficiência, mas, no STJ, o ambiente tem sido acolhedor. Hoje, a servidora mantém na internet o site (d)Eficiente, que visa apoiar e dar voz a pessoas com todo tipo de deficiência. “Acho que políticas de acessibilidade e equidade de gênero devem ser implantadas no Judiciário e em todas as áreas da administração pública”, opinou.

Agenda 203​​0

O STJ está comprometido com a Agenda 2030, da Organização das Nações Unidas, e tem pautado suas ações no alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), fazendo as escolhas necessárias para melhorar a vida das pessoas, agora e no futuro. As informações desta matéria estão relacionadas ao ODS 5. Igualdade de Gênero – Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/nXb_DZ-nF7g/11032021-No-Mes-da-Mulher–servidoras-do-Judiciario-discutem-participacao-feminina-em-talk-show-promovido-pelo-STJ.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Falta de acesso da defesa a dados da investigação leva Sexta Turma a anular ação contra ex-prefeito – STJ

Por entender que a falta de acesso à íntegra das informações colhidas na investigação configura …