STF atende pedido da OAB e muda dispositivo legal que trata do direito de resposta – OAB

O Supremo Tribunal Federal julgou procedente o pedido formulado pela OAB Nacional na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5415, ajuizada em face do artigo 10º da Lei 13.188/2015, que trata do direito de resposta em veículos de comunicação social. A OAB apontou que o dispositivo continha inconstitucionalidade e que, além disso, gerava um desequilíbrio de forças entre os veículos de imprensa e autores de pedido de direito de resposta. A ADI foi ajuizada pelo Conselho Federal da OAB em novembro de 2015 para impugnar, especificamente, a exigência de manifestação de “juízo colegiado prévio” para suspender, em recurso, o direito de resposta.

“A regulamentação do direito de resposta é importantíssima em uma democracia, mas deve obedecer ao princípio do equilíbrio entre as partes e o direito de defesa no processo. Foi isso que a importante decisão do STF garantiu hoje: a paridade de armas entre o autor do pedido e o meio de comunicação ou comunicador”, disse o presidente da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz.

“Exigir a reunião de ao menos três desembargadores nos tribunais do país, considerando a natureza desse tipo de ação, que estabelece um rito extremamente célere, praticamente inviabiliza o direito de defesa do veículo de imprensa em sede recursal, considerando que o artigo 7º da Lei em questão estabelece que a resposta deverá ser publicada em prazo não superior a dez dias. Portanto, estabelecer que o direito de resposta depende da decisão de apenas um juiz, mas exigir juízo colegiado prévio para suspensão de seus efeitos compromete o princípio da igualdade entre as partes (artigo 5º, caput, CF) e, igualmente, do acesso à jurisdição (artigo 5º, XXXV, CF)”, diz a OAB na ADI.

Para a Ordem, o dispositivo criou um evidente desequilíbrio entre as partes, de modo a comprometer o princípio da igualdade. Em dezembro de 2015, o relator da ADI, ministro Dias Toffoli, deferiu o pedido de medida cautelar formulado na ação para restabelecer a prerrogativa do magistrado de segunda instância de suspender decisão relativa ao direito de resposta proveniente juiz de primeira instância de forma monocrática.

Na sessão plenária realizada na quinta-feira (11), a Corte, por maioria, apreciou o pedido formulado na ADI 5415 e os julgou integralmente procedentes, conferindo interpretação conforme à Constituição ao artigo 10º, da lei 13.188/2015, no sentido de excluir a expressão “em juízo colegiado prévio”, vencido o ministro Marco Aurélio Mello, que julgava improcedentes os pedidos.

“Muito embora a Lei no 13.188/2015 tenha a qualidade de garantir o direito de resposta, inclusive conferindo celeridade, em rito especial, remanesce no texto dispositivo que exige juízo colegiado prévio para suspender, em recurso, o direito de resposta. Essa previsão mitiga e desiguala o direito da parte recorrente à efetiva prestação jurisdicional, bem como viola os princípios constitucionais da separação dos poderes (artigo 2º, CF) e do devido processo legal (artigo 5º, LIV, CF), e alguns de seus corolários, como o princípio do juiz natural (artigo 5º, XXXVII, CF) e da ampla defesa (artigo 5º, LV, CF)”, argumenta a OAB.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/58729/stf-atende-pedido-da-oab-e-muda-dispositivo-legal-que-trata-do-direito-de-resposta.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comissão promoverá debate internacional sobre desenvolvimento sustentável e transição digital – OAB

A OAB Nacional, por meio da Comissão Nacional de Relações Internacionais (CNRI), vai promover uma …