Um ano de pandemia: Fux presta solidariedade às vítimas e propõe união de forças em momento crítico – STF

No início da sessão plenária desta quinta-feira (11), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, em nome do Tribunal, se solidarizou com as vítimas da Covid-19. Ele lembrou que, há um ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a ocorrência da pandemia e, desde então, o custo humano do coronavírus ainda cresce: as estatísticas apontam mais de 2,6 milhões de mortes em mais de 200 países, 270 mil apenas no Brasil, que registrou mais de 10% dos óbitos totais. O ministro frisou que o cenário ainda é preocupante e lembrou que, ontem, o país registrou o recorde trágico de 2.349 mortes em 24 horas.

“Não cansemos de reiterar, para jamais nos esquecermos: esses indicadores não são apenas números, mas, acima de tudo, representam pais, mães, avós, tios, filhos, irmãos e amigos. Não são apenas óbitos, mas vidas interrompidas, sonhos frustrados e lares desestruturados. A todos aqueles que sofrem, que perderam entes queridos, que se encontram desempregados, que precisaram ficar longe de familiares e amigos, o Supremo Tribunal Federal envia nosso carinho e nossa solidariedade”, afirmou.

Diálogo e união

Fux observou que o Brasil vive o seu quadro mais crítico desde março de 2020 e que, neste momento, o país precisa, mais do que nunca, de diálogo e de união entre os três Poderes, entre os agentes políticos de todos os níveis federativos, de todas as ideologias, entre os setores público e privado e de todos os cidadãos. Segundo ele, é necessário trabalhar em prol de medidas eficazes, “para que a ciência e os bons propósitos” possam vencer o vírus. “Não temos tempo a perder. A sociedade brasileira é testemunha de que o Supremo Tribunal Federal tem sido incansável no seu propósito de julgar, em tempo recorde, ações judiciais que versem sobre o enfrentamento da pandemia da Covid-19”, disse.

Atuação

O presidente do STF salientou que, nos últimos 12 meses, a Corte julgou mais de 7 mil processos relacionados à pandemia e tomou decisões paradigmáticas, como a que reforçou a competência da União, dos estados e dos municípios para a adoção de políticas públicas de combate à Covid-19 e as que buscaram mitigar os impactos econômicos das medidas restritivas, com observância dos direitos trabalhistas e de outros direitos sociais. Citou, ainda, decisões que permitiram a realocação de orçamento para os gastos com saúde pública e as que trataram de diversos aspectos relativos à vacinação e à disponibilização de leitos de UTI e respiradores, entre outras medidas urgentes para a concretização do direito à saúde.

Outro ponto destacado foi a manutenção, sem interrupção, dos serviços jurisdicionais do Tribunal nas plataformas eletrônicas, com incremento de produtividade. Segundo Fux, atualmente o STF funciona com mais de 90% do seu quadro de pessoal em trabalho remoto, garantindo a saúde dos servidores sem perder a qualidade da resposta à sociedade.

“Continuaremos firmes em nossas trincheiras, sem economizar esforços para que a sociedade brasileira possa contar com o Poder Judiciário de seu país, e para que o Brasil supere com brevidade e altivez essa página de nossa história. Cuidem-se, e cuidemos uns dos outros. A responsabilidade com o próximo e com o país traduz a genuína cidadania preconizada por nossa Constituição”, concluiu.

Leia a íntegra do pronunciamento.

PR//CF

 

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=462104.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Ministra anula condenação de casal em situação de rua por tentativa de furto em supermercado – STF

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a absolvição de um casal …