Relatora pede informações à AGU sobre leitos de UTI no Estado de São Paulo – STF

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), solicitou informações à Advocacia-Geral da União (AGU) a serem prestadas em 48 horas, sobre o suposto desrespeito à medida liminar concedida por ela para que o governo federal restabeleça os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados ao tratamento da Covid-19 no Estado de São Paulo. A decisão se deu na Ação Cível Originária (ACO) 3474.

Em 27/2, a ministra determinou à União que analisasse, imediatamente, os pedidos de habilitação de novos leitos de UTI formulados pelos Estados do Maranhão, de São Paulo e da Bahia ao Ministério da Saúde. Determinou, ainda, que o governo federal restabelecesse, nessas unidades de federação, de forma imediata e proporcional aos outros estados, os leitos de UTI destinados ao tratamento da Covid-19, caso custeados pelo Ministério da Saúde até dezembro de 2020, que tivessem sido reduzidos em janeiro e fevereiro deste ano.

Custeio paralisado

A relatora assinalou que, de acordo com os autos, dos 3.822 leitos que haviam sido habilitados na rede hospitalar pública paulista até dezembro de 2020, o Ministério da Saúde paralisou o custeio de 3.258, ou seja, manteve o aporte de recursos financeiros apenas para 564 leitos.

Segundo a ministra, após a concessão da liminar, o Ministério da Saúde editou a Portaria 343/2021, que se limita a autorizar o financiamento de 678 leitos na rede hospitalar pública paulista. “As informações produzidas pelo Estado de São Paulo parecem sugerir que o Ministério da Saúde estaria descumprindo a ordem judicial proferida em sede de tutela de urgência na presente ação civil ordinária”, apontou.

Possíveis crimes

Ao determinar que a decisão seja encaminhada ao ministro da Saúde, a ministra Rosa Weber alertou que o descumprimento de ordem judicial por agentes estatais, caso comprovado, pode configurar crime de prevaricação, ato de improbidade administrativa ou, até mesmo, crime de responsabilidade, no caso de o comportamento envolver atos imputáveis ao ministro.

Leia a íntegra do despacho.

RP/AS//CF

Leia mais:

1º/3/2021 – Ministra determina o restabelecimento imediato de leitos de UTI destinados ao tratamento de Covid-19 no MA, SP e BA

Fonte Oficial: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=462204.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Ministra anula condenação de casal em situação de rua por tentativa de furto em supermercado – STF

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a absolvição de um casal …