Vence MP que liberou R$ 98,2 milhões para o INSS e a Receita Federal — Senado Notícias

Perdeu a vigência, nesta segunda-feira (15), a Medida Provisória 1.007/2020, que liberou crédito extraordinário de R$ 98,2 milhões ao Ministério da Economia. Foram R$ 87,4 milhões destinados ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e R$ 10,8 milhões para a Receita Federal.

O recurso serviu para a compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) e outros itens de segurança para servidores em atendimento presencial no INSS e na Receita. Além disso, o crédito também pôde ser usado para a instalação de proteções de acrílico e para a compra de materiais de desinfecção e limpeza. Em nota, o governo afirmou o objetivo de reabrir as 1.562 agências do INSS, fechadas por conta da pandemia. De acordo com a assessoria de comunicação do instituto, até o momento, foram reabertas 1.173 agências.

Prorrogação

Em dezembro de 2020, o senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), então presidente da Mesa do Congresso Nacional, prorrogou por 60 dias a MP. Editadas pelo Executivo, as medidas provisórias têm efeito imediato, mas precisam ser aprovadas pelo Congresso para que os efeitos sejam mantidos. Quando uma medida provisória não é votada no prazo, perde a eficácia. No caso das medidas que liberam recursos, a perda da vigência não prejudica a ação, pois o benefício já foi pago. Quando uma medida perde a validade, o Congresso tem até 60 dias para editar um decreto que discipline os efeitos gerados durante a vigência do texto. 

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/03/15/vence-mp-que-liberou-r-98-2-milhoes-para-o-inss-e-a-receita-federal.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comando da PF pode ter que passar por sabatina e votação no Senado — Senado Notícias

A nomeação para o comando da Polícia Federal pode ter que passar pelo crivo do …