Debate virtual lançará cartilha sobre parentalidade na advocacia – STJ

Dando continuidade à programação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) dedicada ao Mês da Mulher, será promovido no dia 25 de março – em parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), com o coletivo Elas Pedem Vista e com a consultoria Filhos no Currículo – o lançamento da cartilha Boas Práticas sobre Parentalidade na Advocacia, com a apresentação dos resultados do questionário “Experiências de parentalidade em tempos de pandemia”.

O evento on-line será transmitido pelo canal do STJ no YouTube, a partir das 9h.

Na abertura da cerimônia, falará a ministra do STJ Assusete Magalhães. O presidente do tribunal, ministro Humberto Martins, encerrará o evento.

Para a advogada Anna Maria da Trindade dos Reis, membro honorária do Elas Pedem Vista, o debate deve contribuir para a implantação de práticas que levem a uma melhor convivência de mães e pais nos seus trabalhos.

“A questão da parentalidade, no sentido mais amplo – maternidade e paternidade –, é um desses temas caros e que refletem diretamente na atuação das advogadas e profissionais do mundo jurídico”, afirmou.

Boas ​​​​práticas

Em 2017, com o intuito de gerar conteúdo e debater a atuação feminina no mundo jurídico, um grupo de advogadas de Brasília criou o Elas Pedem Vista. A ideia do coletivo é contribuir para a discussão de temas sensíveis à sociedade, como a carreira das mulheres, a paridade de gênero e a participação feminina no Judiciário.

Ao perceberem a necessidade de novas práticas em relação à convivência entre mães, pais e filhos, duas advogadas cofundadoras do coletivo – Carol Caputo e Julia de Baére – decidiram escrever a cartilha Boas Práticas sobre Parentalidade na Advocacia.

A advogada Julia de Baére conta que a publicação foi inspirada em relatos de profissionais do mundo jurídico. “A cartilha que será lançada no dia 25 surgiu a partir de um evento que fizemos para tratar de experiências sobre advocacia e maternidade. Ouvimos relatos muito marcantes de advogadas que tiveram que abandonar a profissão porque ficou impossível conciliar o trabalho e o cuidado com a criança, além da incompreensão dos chefes com as ausências relacionadas à gestação e aos cuidados com a prole”, explicou.

Segundo Carol Caputo, a cartilha contém uma série de boas práticas sobre parentalidade na advocacia, mas, atualmente, se mostrou a necessidade de avançar em um tema específico: o home office. “Com a pandemia, todo mundo está trabalhando de casa. Precisamos olhar para o home office e tentar entender como os pais estão conciliando essa questão de trabalho e filhos”, observou.

Pes​​quisa

A partir dessa necessidade, Elas Pedem Vista contratou a consultoria Filhos no Currículo para realizar uma pesquisa com mais de 600 participantes, todos do mundo jurídico, mapeando as necessidades de quem trabalha com o direito na jornada da parentalidade e no contexto da pandemia.

“É a partir de informação e dados que começamos um movimento de transformação cultural dentro das organizações. O primeiro passo nesse sentido é mapear, entender as dores e necessidades de quem trabalha nesse setor para transformar a cultura a partir de informação e dados”, destacou Michelle Levy Terni, cofundadora da consultoria.

O estudo, que será apresentado durante o seminário virtual, deve inspirar a elaboração de uma segunda edição da cartilha, com diagnóstico e sugestão de ações para melhorar a experiência de quem trabalha no setor da advocacia e tem filhos.

Partici​​pantes​

Além da ministra Assusete Magalhães e do presidente do STJ, a programação do debate prevê a participação das advogadas Anna Maria da Trindade dos Reis, Carol Caputo, Julia de Baére, Daniela de Andrade Borges (presidente da Comissão Nacional da Mulher Advogada da OAB) e Cristiane Damasceno (representando a OAB/DF).

Também estarão presentes Carlos José da Silva, presidente do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (Cesa); Thiago Vitale Jayme, especialista em marketing da Torre Comunicações; e Michelle Levy Terni, da consultoria Filhos no Currículo.

Agenda ​2030

O STJ está comprometido com a Agenda 2030, da Organização das Nações Unidas, e tem pautado suas ações no alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), fazendo as escolhas necessárias para melhorar a vida das pessoas, agora e no futuro. As informações desta matéria estão relacionadas ao ODS 5. Igualdade de Gênero – Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas.​

Fonte Oficial: http://feedproxy.google.com/~r/STJNoticias/~3/dgQL02Z8rRk/18032021-Debate-virtual-lancara-cartilha-sobre-parentalidade-na-advocacia.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Série de reportagens no YouTube mostra decisões do STJ sobre a pandemia – STJ

Pouco mais de um ano após o primeiro caso de Covid-19 reconhecido oficialmente no Brasil, …