Racismo no Brasil é estrutural, dizem senadores em Dia contra a Discriminação — Senado Notícias

Nesse domingo (21) o mundo celebrou o Dia Internacional contra a Discriminação Racial, data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) contra práticas racistas ainda adotadas em diversas partes do globo. O dia 21 de março foi escolhido em alusão ao massacre de Sharpeville, ocorrido em 1960, quando o governo racista da África do Sul matou 69 manifestantes que protestavam pacificamente em Sharpeville, bairro negro da província de Gautung, que fica a 50 quilômetros de Joanesburgo, maior cidade do país. O protesto era contra a Lei do Passe, um documento governamental que limitava e impedia o deslocamento de pessoas negras por diversas partes do território sul-africano. A polícia atirou a esmo, deixando 69 mortos e 186 feridos.

Racismo estrutural

Em entrevista à Agência Senado, o senador Paulo Paim (PT-RS), autor do Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288, de 2010), ressaltou que, infelizmente, práticas racistas permanecem diariamente em todo o mundo. O impacto, disse, é ainda maior no Brasil, país marcado pelo racismo estrutural em suas origens, com consequências que perduram fortemente até os dias atuais.

— O 21 de Março é uma data de luta para reacendermos o pacto contra qualquer tipo de discriminação. A população negra é a que mais sofre em todas as situações. Hoje vivemos uma pandemia mundial e o Brasil, infelizmente, mergulha no caos. Então, neste momento, precisamos do auxilio emergencial, de regulamentar a lei básica de cidadania, de retomar a política de valorização do salário mínimo, e é fundamental vacina para todos — afirmou.

Outros senadores também se manifestaram no Twitter sobre o Dia Mundial contra o Racismo e o racismo estrutural no Brasil. Um deles foi Romário (Podemos-RJ).

“O massacre de Sharpeville, que nos parece distante, nos faz lembrar que ainda hoje é perigoso ser preto. São os jovens negros que mais morrem de morte violenta, são as pessoas negras que seguem nos piores índices sociais de moradia, emprego e renda. Temos um país fundado sobre o racismo, que escravizou pessoas por quase quatro séculos e se recusa a olhar no espelho, e reconhecer que precisamos combater o preconceito com atitudes ativas. Reconhecendo estes abismos sociais e atuando para mudarmos o quadro. Porque o quadro não vai mudar sozinho, deixar de falar não fará o racismo desaparecer”, afirma

A senadora Zenaide Maia (Pros-RN) foi outra que reiterou que o racismo está longe de ser superado no Brasil.

“O dia de hoje é também uma data para reivindicar as políticas urgentes para a sobrevivência de quem constitui a base da nossa pirâmide da desigualdade. Auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia e vacina já para todos! Vidas negras importam!”, reivindicou.

Os senadores petistas Paulo Rocha (PA) e Rogério Carvalho (SE) também lembraram o Dia Internacional contra a Discriminação Racial como “uma importante data que reforça a luta contra o preconceito racial em todo o mundo”. Paulo Rocha acrescentou que no dia 11 o Senado aprovou projeto de resolução que institui a Frente Parlamentar Mista Antirracismo (PRS 17/2021). O fórum servirá para que o Parlamento se aprofunde na busca de soluções para superar o racismo estrutural no Brasil.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/03/22/racismo-no-brasil-e-estrutural-dizem-senadores-em-dia-contra-a-discriminacao.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comando da PF pode ter que passar por sabatina e votação no Senado — Senado Notícias

A nomeação para o comando da Polícia Federal pode ter que passar pelo crivo do …