‘Não são condizentes’ — Senado Notícias

A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado rebateu nesta quinta-feira (25) críticas feitas pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, ao trabalho do órgão. Em audiência na comissão temporária da covid-19 durante a manhã, Guedes disse que o órgão “tem previsões muito fracas” e “trabalha mal”. A IFI destacou que afirmações atribuídas a ela pelo ministro não são verdadeiras.

Em nota assinada por seus diretores e conselheiros, o órgão informa que não prevê recessão ou rompimento do teto no ano de 2021, como Guedes alegou. Também não previu que a dívida pública atingiria 100% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano, ao contrário do que disse o ministro.

“Os comentários feitos sobre as projeções da IFI para o PIB não são condizentes com a análise contida no Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF) de março.  A IFI mantém uma metodologia própria e transparente, também passível de avaliações. Os cenários preditivos são feitos com base em dados realizados e modelos matemáticos. É evidente que projeções podem ser frustradas, e isso não é demérito”, diz o documento.

O RAF de março — edição mais recente do estudo fiscal mensal publicado pela IFI — projeta um crescimento de 2,99% do PIB para 2021 (não uma recessão), e faz observações sobre o impacto negativo de medidas de restrição à circulação nessa taxa. A previsão para o teto de gastos é que ele seja rompido em 2025, com risco moderado de isso acontecer antes. Quanto ao endividamento do setor público, estima-se que ele encerrará o ano em 92,67% do PIB. As previsões são atualizadas e explicadas a cada nova edição do RAF.

Na nota, a IFI também ressalta que o seu relacionamento com a área técnica do Ministério da Economia “sempre foi profícuo” desde a criação do órgão do Senado, em 2016.

Repercussão

Durante a reunião da comissão que trata das ações de enfrentamento à pandemia, Paulo Guedes respondeu a um questionamento do senador Wellington Fagundes (PL-MT) que usava os dados da IFI sobre a possibilidade de menor crescimento da economia em função de medidas restritivas de circulação. O ministro rejeitou o uso da IFI como fonte para a questão.

— Eu acho que a IFI tem previsões muito fracas, tem trabalhado muito mal. Eu acho que até o Senado deveria rever um pouco quem é que lidera a IFI, porque, aparentemente, é um economista que tem errado dez em cada dez — disse Guedes.

Em rede social, o diretor-executivo da IFI, Felipe Salto, comentou o episódio, que disse lamentar. Para ele, tratou-se de um “ataque pessoal” do ministro Paulo Guedes, que revela “aversão ao contraditório”.

O senador José Serra (PSDB-SP), autor do projeto de resolução que criou a IFI, escreveu em apoio à instituição, afirmando ter confiança no trabalho feito por ela.

“A IFI é um instrumento do Estado para monitorar o cumprimento das regras fiscais. Sua função de comunicar com isenção e transparência é essencial.

Outros senadores também se manifestaram em apoio à IFI e repudiaram as declarações do ministro Paulo Guedes. O senador Antonio Anastasia (PSD-MG) escreveu que a instituição é “uma das mais relevantes e confiáveis” do país. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) classificou o trabalho do órgão como “qualificado e reconhecido nacionalmente”. O senador Tasso Jereissati afirmou que a IFI é “fundamental para o conhecimento das contas públicas”.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) criticou Guedes por tentar “tapar o sol com a peneira” ao tentar desacreditar a IFI. Já o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) opinou que o ministro “detestou ser desmascarado” pelas avaliações da instituição, e pediu que o ministro “cumpra seu papel e trabalhe”.

A economista Monica de Bolle, uma das integrantes do conselho da IFI, também repudiou a fala de Paulo Guedes, que afirmou ser uma postura “autoritária” e que ameaça a independência do órgão auxiliar do Senado.

Outras personalidades que se manifestaram em apoio à IFI e contra as declarações de Paulo Guedes foram como o ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e o ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega, além de inúmeros jornalistas e economistas.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/03/25/ifi-responde-a-criticas-de-paulo-guedes-nao-sao-condizentes.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comando da PF pode ter que passar por sabatina e votação no Senado — Senado Notícias

A nomeação para o comando da Polícia Federal pode ter que passar pelo crivo do …