Senado vota moção de repúdio a gesto de assessor do Planalto na terça-feira — Senado Notícias

O Senado deverá votar na terça-feira (30) moção de repúdio e censura apresentada pelo senador Fabiano Contarato (Rede-ES) ao assessor internacional do presidente Jair Bolsonaro, Filipe Martins. Na quarta-feira (24), Martins fez um sinal com as mãos considerado ofensivo pelos senadores, durante sessão temática remota que debatia as dificuldades enfrentadas pelo Brasil para a aquisição de vacinas. O gesto do assessor reproduz um dos símbolos de ódio utilizados por grupos de extrema direita e supremacistas brancos dos EUA.

O requerimento de Contarato foi lido nesta quinta-feira (25), mas não foi votado devido à realização de sessão do Congresso que debatia a aprovação do Orçamento de 2021. Como a iniciativa é de autoria do Senado, o requerimento precisa ser votado em sessão ordinária da Casa.

O sinal feito por Filipe Martins foi denunciado pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que alertou o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, sobre a ocorrência. Martins estava acompanhando o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, na sala de transmissão da sessão. O ministro havia sido chamado para falar das ações da pasta na compra de vacinas contra o coronavírus. O assessor permaneceu na sala até o fim do debate, embora Randolfe Rodrigues tenha solicitado a expulsão de Martins das dependências da Casa.

Após o debate, Rodrigo Pacheco determinou à Secretaria Geral da Mesa que apure o gesto feito por Filipe Martins. As informações colhidas serão encaminhadas à Policia Legislativa do Senado. Por meio de uma rede social, ele disse que estava somente ajeitando a lapela do terno.

Em seu requerimento de repúdio e censura, Contarato considera o comportamento de Martins inadequado e desrespeitoso, e disse que o gesto feito pelo assessor tem sido replicado por grupos de extrema direita por todo o mundo. O requerimento foi lido na tarde desta quinta

 O ato é grave, justamente na sessão que buscava resposta para as dificuldades de o Brasil obter vacinas na escalada da maior crise sanitária do país  afirmou.

Contarato disse que Bolsonaro e Ernesto Araújo são responsáveis diretos pela criação de atritos diplomáticos e pela política de genocídio presente no atual governo, que denota desprezo pelos Poderes constituídos, pela República e pelo Legislativo, o que apontaria para a urgência da exoneração de Ernesto Araújo do Ministério das Relações Exteriores.

Líder do governo, o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) observou que o resultado das investigações da Mesa do Senado já deverá ser de conhecimento público até a votação do requerimento.

Para o senador Paulo Rocha (PT-PA), “ficou claro para todo mundo que o rapaz estava fazendo sinalizações com simbologia que, por coincidência ou não, era similar à praticada durante a invasão do Capitólio, nos EUA”, e sua investigação é fundamental para fazer valer a autoridade do Senado.

O senador Jacques Wagner (PT-BA), por sua vez, disse que Martins é um “marginal, um meliante travestido de assessor, autor de gestos indecorosos, de intolerância, de tese atualmente ultrapassada”. O senador disse que o gesto representa uma afronta ao Senado, à nação brasileira e ao presidente da Casa, que àquela altura comandava a sessão temática.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/03/25/senado-vota-mocao-de-repudio-a-gesto-de-assessor-do-planalto-na-terca-feira.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comando da PF pode ter que passar por sabatina e votação no Senado — Senado Notícias

A nomeação para o comando da Polícia Federal pode ter que passar pelo crivo do …