Aprovado Orçamento de 2021 com déficit de R$ 247,1 bilhões — Senado Notícias

O Congresso Nacional concluiu nesta quinta-feira (21) a aprovação do Orçamento de 2021. Estão previstos R$ 125 bilhões para a área da saúde. O PLN 28/2020 foi aprovado com 346 votos favoráveis e 110 contrários na votação na Câmara dos Deputados. No Senado Federal foram 60 votos a favor e 12 contrários. Houve ainda uma abstenção em cada Casa. O texto aprovado segue agora para sanção presidencial. 

Em 2020, o orçamento da saúde estava previsto em R$ 121 bilhões, mas os gastos acabaram por passar dos R$ 160 bilhões, o que foi possível graças a projetos de crédito aprovados pelo Congresso, o que poderá voltar a ocorrer em 2021 caso seja necessário, ressaltaram parlamentares da base do governo.

Números

No Orçamento 2021 as receitas estão estimadas em R$ 4,324 trilhões, das quais cerca de R$ 2,576 trilhões são para o refinanciamento da dívida e as empresas estatais. O teto dos gastos é de R$ 1,48 trilhão. A meta fiscal para 2021 é um déficit de R$ 247,1 bilhões para o governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência).

Relatado pelo senador Marcio Bittar (MDB-AC), o texto prevê um déficit total recorde de R$ 251,1 bilhões para o setor público consolidado (União, estados, DF e municípios), reforça o teto de gastos e sugere a retomada do crescimento econômico já em 2021, com previsão de aumento de 3,2% do produto interno bruto (PIB). A proposta não contém a previsão do pagamento do novo auxílio emergencial, que deverá vir da abertura de crédito extraordinário a ser autorizado pelo Congresso.

Segundo a peça orçamentária, o déficit de 2021 equivale a 3,21% do PIB, estimado em R$ 7,81 trilhões pelo Congresso, e inclui R$ 4 bilhões de prejuízo das estatais, exceto Petrobras e Eletrobrás. Já para 2022, a equipe econômica espera uma redução do déficit para R$ 237,3 bilhões (3,1% do PIB), e, em 2023, para R$ 152,6 bilhões (1,7%). Caso o déficit seja menor que o previsto, os recursos extras deverão ser usados para o abatimento da dívida, que aumenta desde 2014 e deverá continuar crescendo nos próximos anos. O texto prevê, no entanto, um superávit dos estados e municípios de R$ 200 milhões.

Pelo Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA – PLN 28/2020) aprovado, do total de R$ 4,324 trilhões do Orçamento, R$ 1,603 trilhão será destinado ao refinanciamento da dívida pública, restando R$ 1,171 trilhão para a Seguridade Social (aposentadorias, benefícios), R$ 1,405 trilhão para o custeio da máquina pública federal e R$ 144,4 bilhões para investimento.

— Aumentamos o dinheiro para saúde e educação, garantimos os recursos para pesquisa da vacina brasileira, que vai acontecer ainda neste ano, e mais de R$ 20 bilhões para o governo federal continuar comprando vacinas — disse Bittar ao destacar, também, a garantia de recursos para impedir a paralisação de obras fundamentais de infraestrutura.

Teto de gastos

O limite de gastos da União para 2021 é de R$ 1,486 trilhão, que corresponde ao R$ 1,455 trilhão de 2020 corrigido em 2,13%, a variação da inflação (IPCA) entre julho de 2019 e junho de 2020. Desse valor, o Poder Legislativo (Senado, Câmara dos Deputados e Tribunal de Contas da União) poderá gastar até R$ 13,51 bilhões em 2021 e o Judiciário, R$ 50,52 bilhões. Juntos, o Ministério Público e a Defensoria Pública da União terão outros R$ 8,22 bilhões. Já o gasto total com pessoal foi estimado em R$ 286,7 bilhões.

No PLOA aprovado os gastos com servidores permanecem abaixo dos limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) para o comprometimento da receita com gastos com pessoal.








Despesas com pessoal

PODER/ÓRGÃO VALOR
(em R$ bilhões)
Limite permitido LRF Limite PLOA aprovado
Executivo e DPU 287 40,37% 35,1%
Judiciário e MPU 35,7 6,4% 4,3%
Legislativo e TCU 10,2 2,5% 1,2%
Ministério Público 5,3 0,7% 0,6%

Fonte: Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA – PLN 28/2020) aprovado pelo Congresso Nacional












Algumas das principais despesas totais da União previstas para 2021

(em R$ bilhões)

DESPESA 2021
Aposentadorias 712
Pessoal e encargos sociais 286,7
Saúde 125,7
Educação (incluindo o Fundeb) 119,6
Assistência social 66,1
Bolsa família 34,8
Emendas parlamentares 22,2
Meio ambiente 2,9

Fonte: Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA – PLN 28/2020) aprovado pelo Congresso Nacional

Regra de ouro

Outros R$ 451,1 bilhões necessários ao pagamento de despesas de custeio e da seguridade (25,9% do total) foram condicionados à aprovação do Congresso por maioria absoluta a fim de contornar a chamada “regra de ouro”. Prevista na Constituição, a norma proíbe o governo de fazer dívidas para pagar despesas como salários, aposentadorias, contas de luz e outros gastos da máquina pública. Quando a regra é descumprida, os gestores e o presidente da República podem ser enquadrados em crime de responsabilidade.

Assim, em 2021 esses gastos serão computados “por fora” do PLOA e terão que ser futuramente autorizados por, no mínimo, 257 deputados e 41 senadores. Pelo texto, se houver decretação de estado de calamidade pública este ano que suspenda a regra de ouro, o governo federal poderá fazer operações de crédito e pagar as despesas sem necessidade de autorização do Congresso.

Indicadores

O PLOA estima a a inflação, em 3,24% (IPCA). Já a taxa de juros básica da economia, a Selic, embora prevista em 2,13% no documento, deve terminar o ano em 4,5%, informa Bittar, citando as estimativas de mercado. Desde 2016 não havia previsão de aumento da Selic.

Já o PIB de 2021 foi estimado pelo governo em R$ 7,66 trilhões. Segundo o IBGE, o PIB teve no ano passado o maior tombo desde 1996. O PIB per capita também teve queda recorde, de 4,8%. Apenas a agropecuária cresceu, enquanto a indústria recuou 3,5% e os serviços, 4,5%.

Investimentos

Além dos R$ 144,42 bilhões do Orçamento de Investimentos, o PLOA aprovado prevê para 2021 cerca de R$ 37,6 bilhões em investimentos dentro dos Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social, equivalentes a 0,9% da soma dos dois. O valor original proposto pelo Executivo era de R$ 25,9 bilhões, mas Bittar entendeu ser possível o acréscimo dos R$ 11,7 bilhões dado o aumento da estimativa da receita.

O Ministério da Economia, que responde pela maior parte dos gastos em razão da dívida pública, teve seu orçamento livre aumentado em 19% em relação a 2020, passando a R$ 12,98 bilhões. A pasta administra ainda despesas obrigatórias com previdência (R$ 712 bilhões) e transferências de recursos arrecadados com impostos entre estados e municípios (R$ 216,9 bilhões). Os benefícios de abono salarial e seguro-desemprego foram calculados em R$ 58,9 bilhões.

A proposta orçamentária também traz um aumento de 401% no orçamento livre do Ministério de Minas e Energia, que passará do R$ 1,011 bilhão previsto em 2020 para R$ 5,067 bilhões em 2021. O salto deve-se aos R$ 4 bilhões previstos para a capitalização da Eletrobras Eletronuclear e de Itaipu.

Emendas parlamentares

Outro item de despesa do Orçamento 2021 são as emendas impositivas, no valor de R$ 182,1 milhões, destinadas obrigatoriamente a atender as indicações de gastos feitas por parlamentares (apenas uma parcela de R$ 1,55 milhão desse valor não é de pagamento obrigatório). As chamadas emendas parlamentares impositivas são um instrumento em que o deputado, senador, comissão ou a bancada estadual indicam projetos e obras em seu reduto eleitoral para receber os recursos da sua cota. 

Obras bloqueadas

O PLOA 2021 lista sete obras com irregularidades graves que não poderão receber recursos, a menos que os problemas sejam resolvidos: o Canal Adutor do Sertão Alagoano (AL); a adequação de trecho da BR-116 (BA); a construção da BR-040 (RJ); o BRT de Palmas (TO); a ampliação de capacidade da BR-209 (RS); a Ferrovia Transnordestina; e o Sistema Adutor do Ramal do Piancó (PB).

Receitas

Quanto à entrada de recursos, o texto enviado pelo Poder Executivo prevê para este ano um total de R$ 1,56 trilhão em receita primária, o equivalente a 20,4% do PIB. As receitas totais esperadas para 2021 cresceriam, segundo o PLOA, R$ 128,9 bilhões, ou 8,8%, em relação ao executado em 2020.

A receita primária já contém o desconto das isenções da contribuição previdenciária para alguns setores da economia, estimadas em R$ 308 bilhões (4% do PIB), e as transferências obrigatórias a estados e municípios relativas a alguns tributos. O relator aumentou em R$ 35,3 bilhões (2,3%) o valor da receita primária originalmente apresentada pelo Poder Executivo em agosto (R$ 1,56 trilhão).

O relator da parte de receita do Orçamento — receitas e despesas são analisadas separadamente — deputado Beto Pereira (PSDB-MS), destacou que, apesar da profunda alteração do cenário econômico e social para 2021, o governo não enviou uma retificação da proposta, deixando ao Congresso a responsabilidade de suprir essa lacuna. Ele acredita que as receitas irão melhorar em 2021, especialmente com a arrecadação do Imposto de Renda, do IPI e da CSLL.

O líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), afirmou que a aprovação do Orçamento de 2021 é a única maneira de manter empregos no interior do Brasil. Ele também declarou que os recursos de Ciência e Tecnologia não serão contingenciados.

— Conseguimos avançar bastante em temas sociais importantes, com recursos suficientes para manter minimamente a atividade econômica nos municípios brasileiros, para que a população brasileira não sofra com a fome.

Críticas

No Senado, ainda que pontuando críticas ao projeto orçamentário, as lideranças partidárias majoritariamente indicaram votos pela aprovação da proposta e elogiaram o trabalho do relator. Mas os líderes da minoria, Jean Paul Prates (PT-RN), da oposição, Fabiano Contarato (Rede-ES), do PSB, Leila Barros (DF) e do PT, Paulo Rocha (PA), manifestaram votos contrários.

Mesmo reconhecendo o esforço do relator, Marcio Bittar, eles apontaram diminuição dos gastos com a saúde quando comparados ao Orçamento do ano anterior. Além disso, criticaram cortes em diversas áreas sociais. Para a oposição, a situação de crise humanitária causada pela pandemia de covid-19 exige mais investimentos sociais.

Orçamento fácil

Saiba mais sobre o Orçamento com os vídeos do Orçamento Fácil, um jeito divertido de entender o orçamento público.

 



































































































Variação no valor das despesas não obrigatórias em relação a 2020

Comparativo entre as despesas previstas no PLOA 2020, as propostas pelo governo para 2021 e o que foi aprovado pelo Congresso
(em R$ bilhões)

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO
Orçamento 2020 (a) 2,4  21,7%
Previsão para 2021 Executivo 1,89
Congresso (b) 1,88
AGRICULTURA
Orçamento 2020 (a) 10,44  0,2%
Previsão para 2021 Executivo 9,5
Congresso (b) 10,42
CIDADANIA
Orçamento 2020 (a) 85,08  22,1%
Previsão para 2021 Executivo 103,22
Congresso (b) 103,9
CIÊNCIA E TECNOLOGIA
Orçamento 2020 (a) 11,72  28,7%
Previsão para 2021 Executivo 8,07
Congresso (b) 8,36
COMUNICAÇÕES*
Orçamento 2020 (a)
Previsão para 2021 Executivo 2,02
Congresso (b) 2,07
CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO
Orçamento 2020 (a) 1,02  48%
Previsão para 2021 Executivo 0,54
Congresso (b) 0,53
DEFESA
Orçamento 2020 (a) 72,39  9,8%
Previsão para 2021 Executivo 65,2
Congresso (b) 65,33
DESENVOLVIMENTO REGIONAL
Orçamento 2020 (a) 8,64  23,6%
Previsão para 2021 Executivo 6,48
Congresso (b) 10,68
ECONOMIA
Orçamento 2020 (a) 596,78  4,6%
Previsão para 2021 Executivo 564,44
Congresso (b) 569,49
EDUCAÇÃO
Orçamento 2020 (a) 102,27  27,1%
Previsão para 2021 Executivo 73,52
Congresso (b) 74,56
ENCARGOS FINANCEIROS DA UNIÃO
Orçamento 2020 (a) 27,07  0,5%
Previsão para 2021 Executivo 27,07
Congresso (b) 26,93
INFRAESTRUTURA
Orçamento 2020 (a) 18,82  8,1%
Previsão para 2021 Executivo 16,8
Congresso (b) 17,29
JUDICIÁRIO
Orçamento 2020 (a) 48,46  4,3%
Previsão para 2021 Executivo 50,52
Congresso (b) 50,52
JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA
Orçamento 2020 (a) 12,98  11,7%
Previsão para 2021 Executivo 11,08
Congresso (b) 11,46
LEGISLATIVO
Orçamento 2020 (a) 13,09  3,2%
Previsão para 2021 Executivo 13,51
Congresso (b) 13,51
MEIO AMBIENTE
Orçamento 2020 (a) 2,67  25,1%
Previsão para 2021 Executivo 1,72
Congresso (b) 2
MINAS E ENERGIA
Orçamento 2020 (a) 6,2  44,2%
Previsão para 2021 Executivo 8,91
Congresso (b) 8,94
MINISTÉRIO PÚBLICO E DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO
Orçamento 2020 (a) 8,32  1,2%
Previsão para 2021 Executivo 8,22
Congresso (b) 8,22
MULHER, FAMÍLIA E DIREITOS HUMANOS
Orçamento 2020 (a) 0,36  44,4%
Previsão para 2021 Executivo 0,31
Congresso (b) 0,52
PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
Orçamento 2020 (a) 2,35  65,1%
Previsão para 2021 Executivo 0,82
Congresso (b) 0,82
RELAÇÕES EXTERIORES
Orçamento 2020 (a) 2,38  17,2%
Previsão para 2021 Executivo 2,01
Congresso (b) 1,97
SAÚDE
Orçamento 2020 (a) 129,93  4,8%
Previsão para 2021 Executivo 134,5
Congresso (b) 136,23
TRANSFERÊNCIAS A ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS
Orçamento 2020 (a) 301,94  1,9%
Previsão para 2021 Executivo 288,67
Congresso (b) 307,69
TURISMO
Orçamento 2020 (a) 1,83  5,5%
Previsão para 2021 Executivo 1,4
Congresso (b) 1,73

* O ministério não existia em 2020
Fontes: Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA – PLN 28/2020) com as alterações do Congresso Nacional e Consultoria de Orçamento do Senado Federal

Com informações da Consultoria de Orçamentos do Senado Federal e da Agência Câmara

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/03/25/aprovado-orcamento-de-2021-com-deficit-de-r-247-1-bilhoes.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comando da PF pode ter que passar por sabatina e votação no Senado — Senado Notícias

A nomeação para o comando da Polícia Federal pode ter que passar pelo crivo do …