OAB promove debate sobre promoção da igualdade no âmbito da segurança pública – OAB

A OAB Nacional, por intermédio da sua Comissão Nacional de Promoção da Igualdade, realizou, na manhã desta sexta-feira (26), a solenidade de abertura e os painéis iniciais do Seminário Nacional da Promoção da Igualdade e Segurança Pública do Conselho Federal da OAB.

O presidente nacional da OAB, Felipe Santa Cruz, destacou que no atual e conturbado período, o tema da igualdade ganha centralidade na OAB e, de modo geral, no Brasil. “Se a sociedade clama por maior segurança, temos que compreender que este processo só avançará quando considerarmos os que estão sob a tutela do Estado enquanto sujeitos de direitos, assegurando a igualdade em toda sua extensão. É preciso entender o encarceramento em massa como um problema que atinge a todos e todas. No árduo caminho por justiça, igualdade e uma segurança pública capaz de proteger a vida humana, não serão poucos ou singelos os desafios. Mas tenham a certeza de que irão encontrar na advocacia interlocutores igualmente comprometidos com a efetivação dos direitos”, disse Santa Cruz em seu discurso de abertura.

A presidente da Comissão Nacional de Promoção da Igualdade da OAB e coordenadora do evento, Silvia Cerqueira, destacou que há uma necessidade manifesta de debater – no seio da advocacia – a consolidação da democracia através do respeito inequívoco a todas as raças, cores, etnias, origens e matizes. “Muito mais do que apontar os erros, nosso debate visa contribuir para a consecução de soluções factíveis. Devemos, como Ordem, estar à disposição para pensarmos e implementarmos políticas de modo a reduzir o alto índice de letalidade, para construirmos um país melhor para os brasileiros”, apontou Cerqueira. 

Para o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, não se pode incorrer no erro de achar que todos não são iguais perante a lei. “Somos homens e mulheres iguais desde a criação. Somos todas pessoas com os mesmos direitos, os mesmos sentimentos, mas sobretudo com a mesma missão de alcançar o bem comum. A promoção destes ditames sobre igualdade é fundamental para o exercício da cidadania, conforme consta do preâmbulo da Constituição. A desigualdade é fonte de violência nas mais variadas formas, atuando como fator de vulneração da segurança pública”, disse o ministro. 

Também participaram da solenidade de abertura o vice-presidente nacional da OAB, Luiz Viana; a conselheira federal Cléa Carpi da Rocha (RS); o conselheiro federal Carlos Roberto de Siqueira Castro (RJ), detentor da Medalha Rui Barbosa; os membros honorários vitalícios Cezar Britto e Ophir Cavalcante; o presidente da Comissão Nacional da Verdade sobre a Escravidão Negra, Humberto Adami; a presidente do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), Rita Cortez; o diretor da Escola Superior da Advocacia Nacional (ESA), Ronnie Preuss Duarte; o presidente da Associação dos Delegados de Polícia, Edvanir Paiva; o desembargador do TRF-2, André Fontes; o secretário-adjunto da Secretaria Nacional de Promoção da Igualdade Racial do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, Ezequiel Roque; a procuradora do Trabalho, Silvana da Silva; o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Judiciária, Rafael Sampaio.

A primeira mesa tratou sobre Abordagem Policial, Racialização das Ações Policiais e Filtragem Racial na Seleção, com base na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 635 de 2020, que visa a suspensão de operações policiais em comunidades do Rio de Janeiro durante a pandemia do novo coronavírus, salvo em casos absolutamente excepcionais.

O debatedor foi o presidente da Comissão Nacional da Verdade sobre a Escravidão Negra, Humberto Adami, que falou sobre sua preocupação com a cultura do cancelamento. “Estão cancelando histórias, trajetórias, classes. A própria advocacia tem sofrido com isso. Essa semana, hackers invadiram uma transmissão de uma comissão da subseção da OAB de Campos para denegrir a honra dos debatedores. O neocolonialismo continua em plena atividade na nossa sociedade, não nos enganemos”, alertou Adami.

Também participaram do debate a procuradora federal dos Direitos dos Cidadãos, Debora Duprat; a presidente da Comissão Nacional de Promoção da Igualdade, Silvia Cerqueira; e a vice-presidente da Comissão da Igualdade da OAB-AP, Maria Jozineide Leite de Araújo.

Já a segunda mesa, que fechou as atividades da manhã, teve como tema Poder Judiciário e a Implantação das Varas de Combate a Crimes Raciais. A palestrante foi a conselheira do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Flávia Pessoa, enquanto os debates ficaram a cargo da secretária municipal de Justiça de São Paulo, Eunice Prudente; da desembargadora e diretora de Igualdade Racial da OAB-RJ, Ivone Ferreira Caetano; e da presidente da Comissão de Promoção da Igualdade Racial da OAB-GO, Maura Campos Domiciana.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/58768/oab-promove-debate-sobre-promocao-da-igualdade-no-ambito-da-seguranca-publica.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Confira Também

Comissão promoverá debate internacional sobre desenvolvimento sustentável e transição digital – OAB

A OAB Nacional, por meio da Comissão Nacional de Relações Internacionais (CNRI), vai promover uma …