Para conselheira, união dos Poderes é essencial no combate ao tráfico de pessoas

A subnotificação de casos e a dificuldade na obtenção de dados são os principais desafios do Poder Judiciário brasileiro no combate do tráfico de pessoas no país. Buscando justamente superar esses obstáculos, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) trabalha para aperfeiçoar mecanismos e dar respostas mais efetivas às questões relacionadas ao tema.

No enfrentamento ao problema, indicado pelo Relatório Situacional do Brasil – divulgado este ano pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes (UNODC)-, CNJ e  Ministério da Justiça e Segurança Pública formalizaram acordo de cooperação técnica para o estabelecimento de ações de fortalecimento da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (Decreto 5.948/2006). Em solenidade de celebração ao Dia Mundial e Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (30/7) realizada nesta quinta-feira (29/7), no Ministério da Justiça e Segurança Pública, a conselheira Tânia Regina Silva Reckziegel enalteceu os resultados. A representante do CNJ coordena o Comitê Nacional Judicial de Enfrentamento à Exploração do Trabalho em Condição Análoga à de Escravo e ao Tráfico de Pessoas e o Fórum Nacional do Poder Judiciário para Monitoramento e Efetividade das Demandas Relacionadas à Exploração do Trabalho em Condições Análogas à de Escravo e ao Tráfico de Pessoas (Fontet). “O CNJ vem atuando incansavelmente para concretização dos objetivos do acordo de cooperação, promovendo atuações intersetoriais, sempre buscando meios de aperfeiçoamento das políticas públicas judiciárias e de aprimoramento de ações preventivas e repressivas de tais crimes”, afirmou.

O Fontet foi criado pelo CNJ por meio da Resolução CNJ n. 212/2015 para, entre outras ações, levantar dados estatísticos relativos ao número, à tramitação, às sanções impostas e outros dados relevantes sobre inquéritos e ações judiciais referentes à exploração de pessoas em condições análogas à de trabalho escravo e do tráfico de pessoas. O acordo de cooperação reforça a articulação para prevenir e enfrentar o problema e facilitar a troca de dados, informações e experiências entre os órgãos sobre esse crime e, ainda, viabilizar análise conjunta e comparação de dados e informações existentes.

Segundo Reckziegel, objeto de debates de inúmeras reuniões, o sistema de levantamento de dados judiciais relativos ao tráfico de pessoas sempre foi pontuado como mecanismo essencial na aferição das deficiências judiciárias e aperfeiçoamento do sistema. Para auxiliar na coleta de tais dados pelo Poder Judiciário, foi realizada no final de março a alteração da tabela de classificação de assuntos dos processos judiciais, fazendo-se constar as ações relacionadas às temáticas do trabalho escravo e do tráfico de pessoas no ramo do Direito do Trabalho, bem como conferindo maior especificidade nos assuntos relativos à temática no ramo do Direito Penal, de forma a possibilitar a identificação futura das referidas demandas com maior fidelidade às ramificações existentes de tais violações.

“O caminhar é longo e paulatino. Por certo, a união dos poderes e da comunidade global desempenha fundamental papel nessa luta”, frisou, agradecendo a contribuição da Coordenação-Geral de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Contrabando de Migrantes.

A conselheira explicou que a ferramenta propicia a realização de coleta de dados mais fiéis do Judiciário, auxiliando no conhecimento dos pontos deficitários, em todas as esferas de Poder, contribuindo para melhorar as atuações nessa área e fortalecer o Sistema de Justiça no enfrentamento ao tráfico de pessoas. Com a mudança, será possível fazer um levantamento mais fidedigno de todas as ações relativas ao tema que tramitam na Justiça e criar políticas públicas para acelerar os julgamentos. “Por certo, os frutos de tal alteração serão melhor verificados com o decorrer do ano, após o preenchimento dos dados a partir da nova disposição.” As tabelas processuais unificadas foram instituídas pela Resolução CNJ n.46/2007. Antes da normatização, tribunais e até varas davam nomes diferentes a ações similares. A falta de padronização inviabilizava o cálculo de estatísticas da movimentação processual no país.

Ela também destacou que em 30 de abril o CNJ compartilhou com o Ministério da Justiça dados relativos ao número de processos judiciais ajuizados de 2017 a 2020 envolvendo tráfico de pessoas, obtidos por meio da Base Nacional de Dados do Poder Judiciário (DataJud).

“Ainda, a partir de sugestão apresentada pela Coordenação-geral de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas e Contrabando de Migrantes, realizamos o encaminhamento de ofício à Embaixada Americana no Brasil, ao Ministério Público do Trabalho, ao Ministério Público Federal e à Defensoria Pública da União solicitando apoio para consolidação dos dados atinentes ao tráfico de pessoas e ao trabalho escravo”, explicou a conselheira, acrescentando que o CNJ realizou a intimação de todos os tribunais federais, de Justiça e do Trabalho para que procedam o levantamento dos dados relativos à temática.

Curso-piloto

Entre outras ações do CNJ está o desenvolvimento, em parceria com o UNODC, de curso piloto on-line sobre tráfico de pessoas e fluxos migratórios. O conteúdo da capacitação, voltada a magistrados e magistradas, vai enfocar a aplicação da Lei 13.344/2016 (Lei de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas), o enquadramento legal do crime, a jurisprudência nacional, regional e internacional sobre a matéria, os desafios do conjunto probatório e técnicas de entrevista com vítimas.

O curso será realizado pela plataforma de cursos da Escola Paulista de Magistratura, com aulas ao vivo e gravadas, fóruns de discussão e realização de tarefas. Indica-se que o curso tenha duração de 40 horas, distribuídas por quatro semanas (10h por semana), com a oferta de até 40 vagas.

Além do curso-piloto, Tânia Regina Silva Reckziegel destacou outras iniciativas voltadas ao combate e à sensibilização a respeito do tema. “Ressalto que a realização de campanhas constitui ferramenta fundamental nas lutas sociais, pois o amplo conhecimento das questões pela sociedade permite a criação de uma rede de proteção. Informam sobre serviços e programas de prevenção, atendimento e repressão”, considerou.

Situação preocupante

O secretário nacional de Justiça, Cláudio Panoeiro, alertou que o tráfico de pessoas constitui hoje a terceira maior rede criminosa no mundo, perdendo apenas para o tráfico de drogas e o de armas. “Se os Estados não adotarem qualquer providência no sentido de enfrentar esses ilícitos, até o final deste século ela se tornará, sem dúvida, a maior de todas as mazelas da humanidade do ponto de vista criminal.”  Panoeiro falou ainda que desde 2006, com a edição do Decreto 5.948, o Brasil adota políticas públicas para o enfrentamento do problema do ponto de vista das ações governamentais, da repressão ao crime e da prevenção e atendimento às vítimas.

Por sua vez, o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Público, Márcio Nunes de Oliveira, representando o ministro Anderson Torres na solenidade, destacou o lançamento do Relatório Nacional sobre Tráfico de Pessoas – Dados 2017 a 2020, o primeiro no âmbito da Lei 13.344/2016, que ampliou as finalidades de exploração decorrentes do tráfico, entre outras inovações. “É um instrumento importante para o aprimoramento da Política Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, que agora em 2021 completa 15 anos. O relatório é uma parceria com a UNODC e reúne dados de diversos órgãos que transversalmente trabalham com a temática.”

A legislação brasileira reconhece como tráfico de pessoas o recrutamento, transporte, transferência, alojamento ou acolhimento de pessoas recorrendo à ameaça ou uso de força ou outras formas de coação, ao rapto, à fraude, ao engano, ao abuso de autoridade ou à situação de vulnerabilidade ou à entrega ou aceitação de pagamentos ou benefícios para obter o consentimento de uma pessoa que tenha autoridade sobre outra para fins de exploração. O crime inclui a exploração da prostituição ou outras formas de exploração sexual, trabalho ou serviços forçados, escravatura ou práticas similares, a servidão ou a remoção de órgãos.

Carolina Lobo
Agência CNJ de Notícias

 

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/para-conselheira-uniao-dos-poderes-e-essencial-no-combate-ao-trafico-de-pessoas/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=para-conselheira-uniao-dos-poderes-e-essencial-no-combate-ao-trafico-de-pessoas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Defensoria pública mineira promove Innovation Today na sexta-feira (24/9)

Na sexta-feira (24/9), a Defensoria Pública de Minas Gerais (DPMG), por meio de sua Escola …