Plataforma Digital é destaque em webinário sobre Justiça 4.0

Na segunda-feira (13/9), profissionais do Judiciário e de áreas do Direito conheceram em mais detalhes as iniciativas de transformação digital criadas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). A E a Plataforma Digital do Poder Judiciário foi um dos destaques do Webinário Justiça 4.0, que traçou um panorama dos projetos e normas desenvolvidos pelo CNJ e que introduziram uma nova política pública para o processo judicial eletrônico, o cumprimento digital de ato processual, a realização de audiências por videoconferência, entre outros.

Leia também:

O secretário especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ, Marcus Livio Gomes, pontuou que o CNJ aumentou sua capacidade técnica, com profissionais de tecnologia. “São desenvolvedores, analistas e cientistas de dados, que estão à frente das iniciativas e produtos que serão entregues na gestão do ministro Luiz Fux.”

Esse incremento técnico se deu por meio da parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e o Conselho da Justiça Federal (CJF) para implementação do Programa Justiça 4.0. “Através deles queremos entregar diversos produtos, como o novo Sistema Nacional de Bens Apreendidos (SNBA), o Sistema Nacional de Recuperação de Ativos, o Sinapses e o Codex”, explicou Gomes, reforçando que os sistemas “possibilitarão a entrega da prestação jurisdicional de uma forma muito mais célere, prestigiando o fundamental princípio do acesso à Justiça”.

Um dos painéis do evento destacou a Plataforma Digital do Poder Judiciário Brasileiro – um dos projetos de modernização que vai tornar mais ágil o modelo processual eletrônico. Ela é o marketplace de soluções tecnológicas do Poder Judiciário, integrando os diferentes sistemas de processo eletrônico e possibilitando o trabalho colaborativo de desenvolvimento pelos tribunais.

Para o juiz auxiliar da Presidência do CNJ Fábio Porto, a Plataforma traz vantagens para todo o Sistema de Justiça. “Hoje, cada tribunal tem seu sistema processual. Com ela, a ideia é criar um portal único, que nós chamamos portal de serviços, em que o advogado não vai precisar ingressar em cada tribunal, em um sistema diferente. Haverá um sistema único que vai consolidar todas as informações de processos e audiências, por exemplo.”

Atos digitais

O cumprimento digital de atos processuais também foi tema do Webinário. O também juiz auxiliar da Presidência do CNJ Rafael Leite Paulo explicou que o Mandamus, um dos projetos inseridos na Plataforma, viabiliza a prática eletrônica dos atos feitos pelo oficial de Justiça. “A ideia é que o mandado judicial, que usualmente tem a via física para o seu cumprimento, passe a ser cumprido de forma efetivamente digital.”

Para o advogado e pesquisador em Direito e Tecnologia Ronaldo Lemos, “a prática de um ato processual no formato eletrônico não só atende a finalidade do exercício e da aplicação da Justiça, mas também pode auxiliar na geração de dados, na jurimetria e em processos de gestão, que vão muito além da prática do ato em si”. Lemos mencionou, por exemplo, o uso dos dados para aperfeiçoamento de ferramentas de inteligência artificial e a interação virtuosa entre as inovações promovidas pelo Poder Judiciário, a sociedade e empresas de tecnologia jurídica.

Raquel Lasalvia
Agência CNJ de Notícias

Reveja o evento no canal do CNJ no YouTube

Veja mais fotos no Flickr do CNJ
13/09/21 - Abertura, primeira e segunda mesa

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/plataforma-digital-e-destaque-em-webinario-sobre-justica-4-0/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=plataforma-digital-e-destaque-em-webinario-sobre-justica-4-0.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Participação de pessoas negras no TRT4 é tema de livro e documentário

“Num mundo onde querem nos matar, contar e registrar as nossas vidas é revolucionário!”. A …