Presidente do TSE fala sobre os desafios da realização de eleições durante a pandemia de Covid-19 — Tribunal Superior Eleitoral

Na manhã desta quarta-feira (15), data em que se comemora o Dia Internacional da Democracia, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, falou sobre as medidas adotadas pelo Brasil para a realização de eleições seguras durante a pandemia de Covid-19. 

O pronunciamento foi gravado pelo presidente da Corte Eleitoral brasileira para exibição durante o seminário “Elecciones em tempos de pandemia”, realizado pelo Parlamento do Mercosul, organização que possui representantes de todos os países que constituem o bloco político-econômico. 

A primeira providência tomada, segundo o ministro, foi impedir o cancelamento das eleições, que havia sido a solução inicial apresentada por alguns membros do Congresso Nacional. O passo seguinte foi pedir que o pleito fosse adiado para que não ocorresse no auge da pandemia. Barroso ressaltou que todas as decisões foram tomadas com as devidas adequações legais e em comum acordo com os parlamentares brasileiros.

“Em seguida, criei uma comissão de estatísticos para determinar quanto tempo necessitaríamos para fazer as eleições sem aglomerações. Para isso, aumentamos o período de votação em uma hora e reservamos as primeiras três horas para as pessoas idosas, com mais de 60 anos”, afirmou o presidente do TSE.

Na exposição, o ministro explicou que o Tribunal Superior Eleitoral elaborou um grande plano de segurança sanitária em parceria com os hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

“No plano de segurança nos foi recomendado comprar uma quantidade muito grande de máscara e álcool em gel: cerca de quatro milhões de litros e cerca de nove milhões de máscaras. Não teríamos tempo para a fazer licitação, então fizemos uma chamada pública à iniciativa privada e conseguimos todo o material”, contou.

Barroso destacou o alto índice de comparecimento do eleitorado e a agilidade na divulgação do resultado pleito, que como é de costume, ocorreu poucas horas após o término da votação. 

A fala do ministro foi reproduzida durante o painel “Adecuaciones normativas em la organización de elecciones em tiempos de pandemia”, que também contou com a participação do presidente da Corte Eleitoral do Uruguai, José Arocena, da ministra do Tribunal Superior de Justiça Eleitoral do Paraguai, María Elena Wapenka, e do juiz da Câmara Nacional Eleitoral da Argentina Alberto Ricardo Dalla Via.

O evento terá continuidade ao longo do dia, com debates sobre a adoção de medidas de biossegurança nos pleitos ocorridos durante a crise sanitária e a observação de eleições em tempos de pandemia. 

Durante o encontro, que acontece integralmente em ambiente virtual, também será lançado o livro “Sistemas electorales en América Latina y Caribe: observatorio de asuntos latinoamericanos de la Câmara de Diputados de la nación Argentina”. No encerramento, os participantes farão uma reflexão a respeito de temáticas ligadas à participação política no cenário pós-pandêmico. 

Acompanhe a transmissão ao vivo pelo canal do Parlamento do Mercosul no YouTube. 

Parlamento do Mercosul

Constituído no dia 14 de dezembro 2006 em substituição à Comissão Parlamentaria Conjunta, o órgão é formado por representantes de todos os países que compõem o Mercosul: Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela. A entidade tem como objetivo representar o compromisso dos povos com a realização de eleições limpas e fortalecer o processo de integração entre as nações, criando um espaço comum de discussão em que seja considerado o pluralismo e a diversidade de cada região.

BA/CM

Fonte Oficial: https://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2021/Setembro/presidente-do-tse-fala-sobre-os-desafios-da-realizacao-de-eleicoes-durante-a-pandemia-de-covid-19.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Jovem que completar 16 anos até a data da próxima eleição poderá votar — Tribunal Superior Eleitoral

De acordo com o artigo 14 da Constituição Federal, o voto é facultativo para jovens de 16 …