Direitos humanos: norma prevê diretrizes para assegurar direitos dos povos indígenas no Judiciário

Integrante do Grupo de Trabalho criado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para analisar as dificuldades do acesso à justiça do povo indígena no Brasil, a antropóloga Manuela Carneiro da Cunha apresentou uma minuta de Resolução com diretrizes e procedimentos para assegurar os direitos dessas pessoas perante o Poder Judiciário. A especialista expôs o texto durante a 5ª Reunião do Observatório Nacional de Direitos Humanos do Poder Judiciário, ocorrida na última terça-feira (21/9).

Contendo cinco sessões e 26 artigos, o projeto elaborado pelo GT é regido por sete princípios, citados por Manuela Carneiro na reunião. “Noção de autoidentificação dos povos indígenas; o diálogo interétnico e cultural; o respeito a territorialidade indígena; tratamento processual igualitário e a Justiça cognitiva; reconhecimento da organização social e das formas próprias de cada povo para resolução de conflitos; vedação da aplicação do regime tutelar e o respeito pela autodeterminação dos povos indígenas, especialmente daqueles que estão em isolamento voluntário”, explicou.
A norma também pretende orientar a interpretação das normas processuais conforme os valores estabelecidos na Constituição e em tratados Internacionais e nacionais de direitos humanos. Segundo Manuela, apesar de previsto na Constituição Federal, o acesso dos indígenas à justiça, infelizmente, ainda carece de efetividade.

A antropóloga lembrou ainda que outra sugestão nascida do GT – de que fossem promovidos cursos para magistrados voltados ao tema dos direitos indígenas – já está em curso. Em 10 de agosto, o CNJ e a Escola Nacional da Magistratura (Enfam) celebraram um acordo de cooperação técnica para criar a Rede de Altos Estudos em Direitos Indígenas.

O presidente do CNJ, ministro Luiz Fux, ressaltou a importância dessa ação, que permitirá compor em uma única plataforma on-line um repositório de informação, materiais didáticos, e documentos técnicos que ficará à disposição de magistrados, profissionais, estudantes e sociedade em geral. “É uma temática especial que, evidentemente, não podemos exigir que todos conheçam a fundo. Esses cursos de capacitação e webinários cumprirão esse papel de levar o conhecimento e aprofundamento desses temas ao Poder Judiciário, contribuindo para a capacitação de magistrados e de todos que trabalham com esse tema tão relevante”, disse Fux.

Liberdade de expressão

Antes de encerrar a reunião, o presidente do CNJ lembrou que, em breve, haverá mais uma edição do Encontro Virtual sobre Liberdade de Expressão, promovido pelo CNJ. Duas edições do evento já foram realizadas: a primeira em junho (“A liberdade de expressão artística e os limites do Poder do Estado”) e a segunda (“Liberdade de expressão dos povos indígenas”) em agosto.
Os próximos temas deverão abordar “A liberdade de expressão artística e a laicidade do Estado”; ‘A liberdade de expressão artística e o discurso de ódio”; ‘A liberdade de expressão artística e o que pensam os artistas” e ‘A liberdade de expressão artística e a lei”.

Por fim, frei Davi, da Educafro, citou decisão unânime do Supremo Tribunal Federal determinando que o Ministério da Educação (MEC) reabrisse as inscrições do Enem para os jovens de baixa renda (isentos de taxa de inscrição). A ação teve como objetivo estimular parcela dos alunos a não abandonar os estudos. Pesquisas sobre o impacto das consequências da pandemia da Covid-19 já apontam aumento da evasão escolar principalmente entre jovens de baixa renda.

Regina Bandeira
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/direitos-humanos-norma-preve-diretrizes-para-assegurar-direitos-dos-povos-indigenas-no-judiciario/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=direitos-humanos-norma-preve-diretrizes-para-assegurar-direitos-dos-povos-indigenas-no-judiciario.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Diversidade de estratégias impulsiona avanços em ações do Justiça 4.0

As reuniões regionais do Programa Justiça 4.0 têm destacado a diversidade de estratégias adotadas pelos …