Picos (PI) realiza primeira oitiva de criança em sala de depoimento especial

A 5ª Vara Criminal da comarca de Picos (PI) realizou seu primeiro procedimento em sala de depoimento especial no dia 21 de setembro. A Corregedoria Geral do Tribunal de Justiça do Piauí (TJPI) está instalando salas de depoimento especial na capital e em comarcas do interior, com o objetivo de garantir o maior acolhimento e segurança de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência. A comarca de Picos também foi contemplada com brinquedoteca para acolhimento de crianças e adolescentes.

Nas salas de depoimento especial, o procedimento é realizado em um ambiente mais estruturado, com todos os equipamentos necessários para que profissionais de Psicologia e de Assistência Social tomem o depoimento da criança ou adolescente por meio de técnicas especializadas, de maneira que não seja revivido o momento de violência sofrida ou testemunhada. Os depoimentos são gravados seguindo as orientações do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), conforme o Protocolo Brasileiro de entrevista forense com crianças vítimas ou testemunhas de violência e a Lei n. 13.431/2017.

“Foi uma experiência positiva. Pude perceber a atuação do profissional que intermediou a oitiva do adolescente. No nosso caso, um assistente social passou toda a tranquilidade e em momento nenhum a situação foi retraumatizada. O adolescente foi ouvido em ambiente previamente preparado e distante do acusado. Assim toda audiência foi conduzida de forma tranquila”, detalhou a juíza Nilcimar Carvalho, titular da Vara.

Para a assistente social José Francisco Nascimento, “o benefício do depoimento especial é justamente não revitimizar a criança ou o adolescente”. “Temos feito esses depoimentos com crianças e adolescentes que vivenciaram alguma situação de violência sexual. O objetivo é que não seja preciso falar mais de uma vez sobre uma situação delicada como essa. A ideia é que esse depoimento, além de realizado pelo o profissional assistente social ou psicólogo capacitado, seja feito numa sala reservada para preservar a integridade mental, psicológica da criança. Esse atendimento é gravado e também assistido, simultaneamente, na sala de audiência, pelo juiz, promotor e as demais partes envolvidas.”

O corregedor-geral de Justiça do TJPI, desembargador Fernando Lopes, afirma que a implantação dessas salas é medida essencial para a proteção de crianças e adolescentes. “É um direito garantido por lei. As oitivas de crianças e adolescentes vítimas ou testemunhas de violência precisam ter uma estrutura adequada para assegurar seu sigilo e preservá-los. A escuta especializada é um procedimento para evitar que a criança sofra ainda mais com a violência vivenciada. É dever da Justiça zelar pela integridade psicológica das nossas crianças.”

Segundo a Lei nº 13.431/2017, o direito da criança e do adolescente deve ser resguardado; este normativo possibilita a criação de mecanismos para prevenir e coibir a violência contra crianças e adolescentes, garante a eles direitos fundamentais da pessoa humana e assegura a livre narrativa da violência sofrida ou testemunhada, com a preservação do seu sigilo.

Fonte: TJPI

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/picos-pi-realiza-primeira-oitiva-de-crianca-em-sala-de-depoimento-especial/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=picos-pi-realiza-primeira-oitiva-de-crianca-em-sala-de-depoimento-especial.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Diversidade de estratégias impulsiona avanços em ações do Justiça 4.0

As reuniões regionais do Programa Justiça 4.0 têm destacado a diversidade de estratégias adotadas pelos …