Justiça em Números: mais de 2,4 milhões de acordos homologados em 2020

Mais de 2,42 milhões de sentenças homologatórias de acordos foram proferidas pela Justiça brasileira em 2020, apesar das dificuldades com a pandemia da Covid-19. Esse montante representa 9,9% do total de sentenças. Apesar do bom índice, o resultado foi 37,1% menor do que o registrado em 2019. Os dados constam no relatório Justiça em Números 2021 (ano-base 2020) divulgados na última terça-feira (28/9) pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

“Avaliamos que, em decorrência da pandemia da Covid-19, pode ter havido uma dificuldade para a realização dos procedimentos de conciliação e mediação. Sem os encontros presenciais, nos quais são usadas técnicas de construção de confiança e espírito de cooperação entre as partes processuais, fica tudo mais difícil”, afirmou a diretora executiva do Departamento de Pesquisas Judiciárias do CNJ, Gabriela Moreira de Azevedo.

De acordo com o levantamento, as sentenças homologatórias de acordo corresponderam a 4,7% na fase de execução e a 15,8% na fase de conhecimento. No 1º grau, a conciliação foi de 11,7%, considerando todos os segmentos de Justiça. No 2º grau, a conciliação é praticamente inexistente, apresentando índices muito baixos em todos os segmentos de justiça.

Acesse o Relatório Justiça em Números 2021 (ano-base 2020)

A Justiça que mais faz conciliação é a Trabalhista, que solucionou 23% de seus casos por meio de acordo, valor que aumenta para 45% quando apenas a fase de conhecimento de primeiro grau é considerada. O Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região (TRT8) apresentou o maior índice de conciliação do Poder Judiciário, com 96% de sentenças homologatórias de acordo.

Política nacional

A conciliação é uma política adotada pelo CNJ desde 2006. Anualmente, o Conselho promove a Semana Nacional da Conciliação, quando os tribunais são incentivados a juntar as partes e promover acordos nas fases pré-processual e processual.

Em 2010, com a Resolução CNJ n. 125, foram criados os Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscs) e os Núcleos Permanentes de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemecs), que fortaleceram e estruturaram o atendimento dos casos de conciliação. Na Justiça Estadual, havia, ao final do ano de 2020, 1.382 Cejuscs instalados.

O novo Código de Processo Civil, que entrou em vigor em março de 2016, incentivou ainda mais a realização de audiência prévia de conciliação e mediação. No mesmo ano, a Resolução CNJ n. 219 classificou os Cejuscs como unidade judiciária, , tornando obrigatório o cálculo da lotação paradigma em tais unidades. E, no final do ano de 2018 e início de 2019, importantes avanços ocorreram na área, com a realização do programa “Resolve”, que fomentou projetos e ações para a a autocomposição de litígios e a pacificação social por meio da conciliação e da mediação.

Paula Andrade
Agência CNJ de Notícia

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/justica-em-numeros-mais-de-24-milhoes-de-acordos-homologados-em-2020/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=justica-em-numeros-mais-de-24-milhoes-de-acordos-homologados-em-2020.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Penitenciárias Femininas planejam retorno de atividades educacionais para apenadas

Em virtude da pandemia de Covid-19, atividades de formação profissional e educacional foram suspensas nas …