Sessão de homenagem a atletas paralímpicos destaca importância de políticas públicas — Senado Notícias

Os atletas paralímpicos brasileiros, que conquistaram 72 medalhas nos Jogos de Tóquio, foram homenageados pelo Senado em sessão especial nesta segunda-feira (4). Os discursos de esportistas e dirigentes salientaram a importância das políticas públicas de incentivo para o desempenho positivo do país nas Paralimpíadas – em 2021 o Brasil atingiu a sétima colocação no quadro de medalhas, com 22 de outro, 20 de prata e 30 de bronze.

A senadora Leila Barros (Cidadania-DF), autora do requerimento de sessão especial, cumprimentou os paratletas como exemplos de superação e resiliência, que trouxeram conquistas mesmo enfrentando dificuldades extraordinárias em tempos de pandemia.

— Nem esses desafios adicionais desestimularam ou diminuíram a garra e a vontade da nossa delegação. O resultado é que vocês nos emocionaram, fazendo ecoar em Tóquio o Hino Nacional, ou quando se abraçaram com a nossa linda bandeira para celebrar, como se esse abraço fosse em cada um de nós.

Leila também sublinhou a importância do cumprimento integral do Estatuto da Pessoa com Deficiência, e manifestou sua posição favorável à inclusão dos alunos com deficiência no Plano Nacional do Desporto.

No mesmo sentido, o senador Romário (PL-RJ) cobrou mais incentivos aos “heróis” paralímpicos, argumentando que “aplausos, cumprimentos e tapinhas nas costas não pagam as suas contas”. O senador Nelsinho Trad (PSD-MS) saudou o desempenho do paratleta Yeltsin Jacques, de seu estado, que conquistou dois ouros em Tóquio. E a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP) destacou o esporte como meio de promoção social da pessoa com deficiência.

— Quando uma criança com deficiência olha um campeão como vocês, é difícil dimensionar o tamanho da transformação que isso faz no coração dessa criança.

O presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), Mizael Conrado, associou o ciclo positivo do Brasil em paralimpíadas – nos Jogos de Atlanta, em 1996, o país estava na 37ª posição mundial – às conquistas legislativas através do Sistema Nacional do Esporte, da Bolsa Atleta e da Lei Brasileira de Inclusão.

— O esporte amador, salvo raríssimas exceções, é financiado por recursos de origem pública. No Brasil, isso talvez seja ainda mais acentuado que na maioria dos países, pelo menos daqueles que integram o top dez do mundo. E o Parlamento brasileiro tem uma grande responsabilidade  — declarou.

Andrew Parsons, presidente do Comitê Paralímpico Internacional, lembrou a situação inédita do adiamento dos Jogos de Tóquio, que levou os atletas a passar 18 meses treinando em meio a rumores de cancelamento das competições. O deputado federal Julio Cesar Ribeiro (Republicanos-DF), autor de requerimento de homenagem aos atletas paralímpicos na Câmara dos Deputados, defendeu a disposição do governo federal de apoiar a categoria apesar das dificuldades. E José Agtônio Guedes Dantas, secretário nacional do Paradesporto do Ministério da Cidadania, lembrou que, apesar do bom desempenho nos Jogos Paralímpicos, 75% dos municípios brasileiros ainda não têm política esportiva de atendimento à pessoa com deficiência.

— Nós precisamos transferir essas responsabilidades, sensibilizar o gestor público, por meio de cursos de capacitação, para que eles possam estimular dentro da sua estrutura, a criação de projetos — declarou Guedes Dantas.

Com cinco medalhas em Tóquio (três ouros, uma prata e um bronze), a nadadora Maria Carolina Santiago saudou o trabalho da comissão técnica e o investimento feito nos atletas.

— Todo esse investimento permite que a gente possa treinar com exclusividade, voltado unicamente para os nossos resultados e, por isso, os resultados vêm como vieram — afirmou a nadadora.

A paraciclista Jady Malavazzi, que em Tóquio participou pela segunda vez dos Jogos Paralímpicos, manifestou sua esperança de que o Parlamento e os governos continuem apoiando a categoria para que o desempenho do Brasil em 2024 seja ainda melhor. O atleta do hipismo, Sérgio Oliva, que participou de três Paralimpíadas, classificou as políticas públicas de Estado como essenciais para o esporte nacional e pediu a criação de uma bolsa voltada para os técnicos.

Nathan Torquato, ouro no parataekwondo, espera que o esporte brasileiro continue se expandindo como meio de alegria e inclusão. Bicampeão paralímpico em lançamento de disco, Claudiney Santos salientou que “não basta só a gente querer” sem um incentivo financeiro que permita ao atleta representar o país.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/10/04/sessao-de-homenagem-a-atletas-paralimpicos-destaca-importancia-de-politicas-publicas.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Com votação marcada para terça, relatório da CPI ainda pode receber alterações — Senado Notícias

Prevista para 26 de outubro, a votação do relatório do senador Renan Calheiros (MDB-AL) será …