Equipes psicossociais do Judiciário: prazo para envio de formulários é 20 de outubro

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio de seu Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (DMF), iniciou nesta semana um mapeamento inédito de práticas, desafios e perfil das equipes psicossociais do Judiciário com atuação no campo da privação de liberdade. Profissionais de equipes interdisciplinares da execução penal, das alternativas penais e das medidas socioeducativas terão até 20 de outubro para responder ao questionário, enviado por meio de ofício ao público-alvo.

O levantamento tem o objetivo de fortalecer, qualificar e parametrizar a oferta desses serviços para apoiar a atuação do Judiciário. A ação integra as atividades do programa Fazendo Justiça, parceria entre o CNJ e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com apoio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), para superação de desafios estruturais no campo da privação de liberdade.

Além do questionário, a estratégia também envolve a realização de entrevistas e grupos focais. O conjunto dos achados servirá como base para elaboração de um guia de incidência e parametrização da atuação das equipes técnicas, previsto para o início de 2022.

“Conhecer, dar visibilidade e criar parâmetros para a atuação dessas equipes é fundamental para fortalecer o trabalho intersetorial do judiciário”, pontua a supervisora do DMF/CNJ, Melina Machado Miranda. Segundo a supervisora do DMF, as equipes técnicas interdisciplinares são fundamentais para a identificação de vulnerabilidades e possibilidades de proteção social para pessoas em privação de liberdade e suas famílias, fornecendo subsídio técnico especializado para a atuação da magistratura.

São convidados a participar respondendo o questionário todos os profissionais das equipes técnicas interdisciplinares de Varas de Execução Penal ou Criminal (VEPs ou VECs); Varas de Medidas Alternativas ou Varas de Penas e Medidas Alternativas (VEPMAs ou VEPEMAs); Varas de Infância e Juventude (VIJs) voltadas ao Sistema Socioeducativo; assim como Grupos de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (GMFs).

Conheça as ações previstas no programa Fazendo Justiça para equipes psicossociais no Poder Judiciário

Renata Assumpção
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/equipes-psicossociais-do-judiciario-prazo-para-envio-de-formularios-e-20-de-outubro/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=equipes-psicossociais-do-judiciario-prazo-para-envio-de-formularios-e-20-de-outubro.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Curso Questões Atuais do Saneamento Básico no Brasil tem apoio do CNJ

Estão abertas até quarta-feira (27/10) as inscrições para o curso Questões Atuais do Saneamento Básico …