SE: Projeto quer prevenir e tratar doenças infecciosas na população carcerária

O Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE) participou, nesta quinta-feira (14/10), de reunião técnica para levantar subsídios para um projeto piloto voltado para a prevenção, diagnóstico e assistência em HIV e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), hepatites virais, tuberculose e hanseníase junto às pessoas presas no estado. O projeto busca ainda alinhar as diferentes instituições, como o próprio Judiciário e gestões estaduais de saúde, justiça e administração prisional. O objetivo é que o piloto seja replicado em outros estados.

A ação é uma articulação do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) no Brasil com o Programa Fazendo Justiça, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), e o Ministério da Saúde. O Fazendo Justiça está em execução em Sergipe desde o ano passado e tem impulsionado a implantação e ampliação dos serviços penais, bem como a qualificação das equipes para atuação nas Centrais Integradas de Alternativas Penais, nas Centrais de Monitoração Eletrônica, nos Escritórios Sociais e nos Serviços de Atendimento à Pessoa Custodiada.

O presidente do TJSE, desembargador Edson Ulisses de Melo, refletiu sobre a importância de atendimento mais humanizado para a população carcerária. “A população carcerária precisava que houvesse olhares voltados para esse público, o que concretizamos com mecanismos como esse na busca da humanização dos presídios, da empatia para com o encarcerado e para com os egressos que. O programa é muito esperado diante da situação caótica em relação aos presídios. Precisamos tratar de forma adequada e humana a população carcerária e os egressos, como o mínimo de dignidade, o qual se faz olhando para a saúde dessas pessoas.”

O corregedor-geral do Tribunal, desembargador Diógenes Barreto, destacou o avanço do programa Fazendo Justiça em todo o país e, especialmente, em Sergipe. Fez um relato do aperfeiçoamento da Justiça criminal a partir de 2015, com a instalação das audiências de custódia, a qual deu visibilidade às questões cruciais que deveriam ser solucionadas no sistema carcerário.

”Mesmo tendo avançado bastante, ainda tínhamos muito o que avançar na questão da saúde da população carcerária, no tratamento e prevenção de doenças como em HIV e outras ISTs, hepatites virais, tuberculose e hanseníase. Um projeto piloto é a melhor forma de avaliar a aplicação de um projeto e ficamos lisonjeados que Sergipe tenha sido escolhido, porque temos a fama de sermos cooperativos”, afirmou Barreto.

Para Valdirene Daufemback, coordenadora do Fazendo Justiça no estado, explicou a importância  do papel do TJSE. “Quando pensamos em ampliar essa política de atendimento ao público dos serviços penais, encontramos em Sergipe as melhores condições e infraestrutura com projetos já desenvolvidos, além da vontade e interesse em avançar. Agradecemos a parceria do Judiciário de Sergipe e dos demais parceiros, porque sabemos que uma composição diversificada é o melhor caminho para avançarmos em várias frentes em políticas complexas que envolvem questões sociais, econômicas e de saúde para a população atendida pelos serviços penais.”

Fonte: TJSE

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/se-projeto-quer-prevenir-e-tratar-doencas-infecciosas-na-populacao-carceraria/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=se-projeto-quer-prevenir-e-tratar-doencas-infecciosas-na-populacao-carceraria.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Diversidade de estratégias impulsiona avanços em ações do Justiça 4.0

As reuniões regionais do Programa Justiça 4.0 têm destacado a diversidade de estratégias adotadas pelos …