Colaboração é a base para transformação digital do Judiciário

Diálogo e cooperação. Esses princípios foram destacados durante reunião sobre o Programa Justiça 4.0 com representantes dos Tribunais de Justiça de Alagoas (TJAL), Pernambuco (TJPE) e Sergipe (TJSE), realizada na quinta (14) e sexta-feira (15/10). “O caminho que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) vislumbra é da cooperação, do diálogo, do desenvolvimento e colaboração em ecossistemas”, afirmou Marcus Lívio Gomes, secretário especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ.

O secretário especial destacou que o Conselho está ao lado dos Tribunais de Justiça, “em regime de cooperação, e não de imposição, para auxiliá-los nesse grande salto tecnológico”. Durante os dois dias do encontro, os tribunais compartilharam informações e identificaram problemas comuns na implantação das políticas judiciárias do Juízo 100% Digital, do Balcão Virtual e dos Núcleos de Justiça 4.0 e no processo de integração dos órgãos à Plataforma Digital do Poder Judiciário e ao Codex.

Para o coordenador do Comitê de Governança de TI e Comunicação do TJAL, Fernando Tourinho,  “a troca de experiências é importante para o dia a dia e para evolução dos projetos”. “A cooperação é essencial e tem nos ajudado. Temos problemas pontuais que precisamos resolver conversando.”

Os encontros regionais, explicou o secretário-geral do CNJ, Valter Shuenquener, têm evidenciado as virtudes e dificuldades encontradas pelos tribunais na execução dos projetos de transformação digital. “Toda proposta e sugestão criativa é muito bem-vinda para o CNJ. O conselho procura construir soluções em conjunto com os tribunais.”

Compromisso

Durante a reunião, os representantes dos Tribunais de Justiça assinaram documento estabelecendo metas e prazos para expansão das políticas judiciárias nacionais e a implementação da Plataforma Digital e do Codex nas bases de dados processuais.

O presidente do TJAL, Klever Rêgo Loureiro, frisou o papel que o Balcão Virtual está cumprindo no contexto de distanciamento social resultante da pandemia da Covid-19. “No período de pandemia, o Balcão Virtual assegurou o acesso dos usuários à informação sobre seus processos. O tribunal e as unidades judiciárias se multiplicaram com essa inovação, porque o Poder Judiciário de todo o país teve que se reinventar.”

Segundo Edson Ulisses de Melo, presidente do TJSE, a pandemia 19 impulsionou o Judiciário em um caminho sem volta. “As políticas de transformação digital nos foram exigidas nesse período. O TJSE é um dos tribunais que aplaudem o Justiça 4.0 e faz tudo que é possível para acompanhar as novidades da proposta.”

Para Sílvio Neves Baptista Filho, presidente do Comitê Gestor do Processo Judicial Eletrônico (PJe) do TJPE, o serviço digital, para ter sucesso, precisa ser “melhor do que o presencial em todos os sentidos”. “É preciso que haja crença dos usuários externos de que o modelo seja um avanço para a celeridade e aproximação entre o Judiciário e a população.”

Justiça 4.0

O Programa Justiça 4.0 é uma parceria entre o CNJ, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e o Conselho da Justiça Federal (CJF), para o desenvolvimento e implantação de soluções tecnológicas, que visam o aperfeiçoamento dos sistemas processuais eletrônicos e da prestação jurisdicional.

Raquel Lasalvia
Agência CNJ de Notícias

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/colaboracao-e-a-base-para-transformacao-digital-do-judiciario/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=colaboracao-e-a-base-para-transformacao-digital-do-judiciario.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Judiciário de RR tem o 2º menor tempo de tramitação de ações ambientais

O Tribunal de Justiça de Roraima (TJRR) é o órgão do Judiciário com o segundo …