Para Fux, criação do TRF6 atende as necessidades da prestação jurisdicional

O Tribunal Regional Federal da 6º Região (TRF6) foi criado nesta quarta-feira (20/10), com a sanção do presidente da República, Jair Bolsonaro, ao Projeto de Lei 5.019/2021, que altera a estrutura da Justiça brasileira. O novo órgão, que terá sede em Belo Horizonte, será responsável por julgar os casos referentes ao estado mineiro.

A Justiça Federal foi concebida em uma divisão de cinco Tribunais Regionais para atender às cinco regiões do país. Contudo, o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), com sede em Brasília, tinha sob sua jurisdição 14 unidades da Federação – Distrito Federal e os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Bahia, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Piauí, Rondônia, Roraima e Tocantins – sendo que apenas Minas Gerais correspondia, até hoje, a 40% do acervo da corte.

O presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF, ministro Luiz Fux, destacou que a Justiça brasileira vive o que é chamado de “prodigalidade recursal”, ou seja, muitos recursos, o que, juntamente com o aumento da litigiosidade, são barreiras à duração razoável do processo, que é considerado um direito fundamental do cidadão. “A ideia desse novo tribunal é brilhante para atender as necessidades da prestação jurisdicional”, disse.

Fux também ressaltou que o órgão está sendo criado à luz do princípio da economicidade, uma vez que não vai haver aumento de despesa, já que a sede física será em prédio já existente e os servidores da Seção Judiciária de Minas Gerais trabalharão no TRF6. “Não vai haver nada fora do orçamento. Isso realmente é uma forma de construir um país com a grandeza que o Brasil merece. O que o é bom para o Brasil, é bom para todos nós. A realidade é que esse projeto garante o acesso à justiça e garante também a economicidade diante desse quadro de escassez que nós vivemos. Hoje, consagramos um ideal: a criação de um tribunal para receber as reclamações do cidadão, e ao mesmo tempo realiza um sonho de justiça”.

Com a criação do TRF6, a demanda federal dos 853 municípios mineiros será concentrada no novo órgão. A ideia é que, assim, a prestação jurisdicional para o estado – e também para os outros 13, que seguem sob responsabilidade do TRF1 – seja mais célere. Durante a cerimônia de sanção, o presidente da República, Jair Bolsonaro, destacou que o Brasil “precisa, sim, de justiça, e o novo tribunal vai representar mais agilidade no trâmite dos processos”.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, também exaltou a criação da nova corte, lembrando que é uma demanda de 20 anos. “Bem-aventurados os que têm fome e sede de Justiça, pois serão satisfeitos. É o que temos hoje: nossa fome de Justiça será satisfeita com a criação do Tribunal Regional Federal da 6ª Região, mas sobretudo para concretização da efetividade de uma justiça e de acesso a todos.”

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, destacou que a criação do TRF6 deve acelerar decisões de processos e reduzir demanda do TRF1. “Do que adianta ter o aprimoramento da primeira instância, se não temos uma segunda instância apta a suportar as demandas julgadas?”, questionou. Para ele, o projeto responde a lógica fundamental para os dias atuais, não apenas voltado para a agilidade jurisdicional, mas que também não trará “ônus para aos contribuintes brasileiros”.

Lenir Camimura
Agência CNJ de Notícias 

Macrodesafio - Agilidade e produtividade na prestação jurisdicional

 

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/para-fux-criacao-do-trf6-atende-as-necessidades-da-prestacao-jurisdicional/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=para-fux-criacao-do-trf6-atende-as-necessidades-da-prestacao-jurisdicional.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Pesquisa avalia de forma positiva oferta de serviços de jurisprudência no Brasil

Membros do Judiciário e da advocacia fizeram avaliações positivas dos conteúdos de jurisprudência oferecidos por …