Núcleo do tribunal paulista debate obra de Luiz Gama no Judiciário

“A obra de Luiz Gama na história do Judiciário brasileiro” foi debatida, na última sexta-feira (19/11), pelo Núcleo de Estudos em História e Memória da Escola Paulista de Magistratura, unidade do Tribunal de Justiça de São Paulo (SP). A palestra foi ministrada pelo pesquisador Bruno Rodrigues de Lima, do Instituto Max Planck de História do Direito e Teoria do Direito (Frankfurt, Alemanha).

O diretor da Escola, desembargador Luis Francisco Aguilar Cortez, destacou a homenagem ao Dia da Consciência Negra. “Esse encontro se realiza em um momento simbólico em razão da comemoração do Dia da Consciência Negra e em um momento de valorização e resgate de valores que devem nortear a nossa atividade no sistema judicial, que são a liberdade e a igualdade, que a obra de Luiz Gama sempre procurou preservar, com respeito e solidariedade, valores tão carentes hoje em dia”, afirmou. O desembargador Gilson Delgado Miranda, vice-diretor eleito da Escola para o biênio 2022/2023, destacou o compromisso de dar sequência a esses eventos no próximo biênio. E ainda enfatizou a importância do núcleo e desses debates para a sociedade.

Bruno de Lima explicou que a homenagem a Luiz Gama é, sobretudo, uma homenagem ao Direito. Ele recordou que Luiz Gama trabalhou 15 anos na Secretaria de Polícia da capital e foi demitido “a bem do serviço público”, acusado de patrocinar causas de emancipação de pessoas ilegalmente escravizadas. Em seguida, na antevéspera do Natal de 1869, ele adquiriu o direito de advogar em São Paulo em razão de seu notório saber jurídico e da demanda por advogados provisionados que pudessem movimentar o volume de processos então existentes.

“De posse dessa licença para advogar, ele fez a história que conhecemos como um dos maiores juristas desse país. Ninguém tem isso no currículo, advogar e conquistar a liberdade por via judiciária para centenas de pessoas. E meus números de pesquisa chegam a 750. ‘Pelo menos 500 tenho arrancado às garras do crime’, ele dizia. É um feito extraordinário, sem precedentes na história do Judiciário no Brasil e nas Américas”, ponderou Bruno de Lima.

Ele explanou sobre os feitos do abolicionista, especialmente a sua atuação no caso do comendador português Manoel Joaquim Ferreira Neto, que em testamento declarou a libertação de seus escravos após a sua morte, ao todo 217. E destacou a carta de Luiz Gama ao filho de dez anos de idade, escrita na semana em que essa demanda seria decidida – um verdadeiro testamento moral, recomendando, entre outras coisas, que ele fosse cristão, filósofo, republicano e trabalhasse para os Estados Unidos do Brasil e dizendo, ao final: “lembre-se, meu filho, que eu escrevo essas linhas em momento supremo, sob ameaça de assassinato. Tem compaixão dos teus inimigos como eu compadeço-me da sorte dos meus”.

Repercussão

A desembargadora Luciana Almeida Prado Bresciani, conselheira da Escola e coordenadora do Museu do TJSP e do Núcleo, ressaltou a relação de Luiz Gama com o Judiciário paulista. “Nunca é demais recordar a proximidade dos espaços de memória do TJSP com esse grande abolicionista, seja pelo rico acervo de processos propostos por ele e custodiados em nosso arquivo, seja pelo título de advogado concedido pela OAB e doado ao Museu do TJSP”, frisou. E convidou as pessoas a visitarem a exposição virtual Luiz Gama e o Judiciário Paulista no Século XIX.

A professora Lígia Fonseca Ferreira expressou a alegria de retornar a mais uma palestra sobre Luiz Gama – há um ano teve uma com o tema “Contribuições de Luiz Gama para o Direito brasileiro” -, reforçando a pesquisa realizada pelo expositor ao longo de vários anos. Já o juiz Jarbas Luiz dos Santos propôs reflexão sobre a importância do legado do abolicionista para a sociedade brasileira do presente e do futuro.

Também coordenador do Núcleo, integrante do Comitê do Programa Nacional de Gestão Documental e Memória do Poder Judiciário (Proname) do CNJ e membro da Comissão Gestora de Arquivo, Memória e Gestão Documental do TJSP, o juiz Carlos Alexandre Böttcher destacou a importância da pesquisa do palestrante para disseminação do conhecimento sobre a obra do abolicionista e a relevância da comemoração da data. A juíza Flávia Martins de Carvalho, diretora de promoção de igualdade racial da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) também cumprimentou a EPM pela iniciativa e os professores.

Fonte: TJSP

Macrodesafio - Fortalecimento da relação interinstitucional do Judiciário com a sociedade

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/nucleo-do-tribunal-paulista-debate-obra-de-luiz-gama-no-judiciario/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=nucleo-do-tribunal-paulista-debate-obra-de-luiz-gama-no-judiciario.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Pesquisa avalia de forma positiva oferta de serviços de jurisprudência no Brasil

Membros do Judiciário e da advocacia fizeram avaliações positivas dos conteúdos de jurisprudência oferecidos por …