CNJ fará audiência pública para discutir padrão mínimo para portais do Judiciário

O objetivo é uniformizar a apresentação de informações institucionais na internet





Banner da audiência pública





19/01/22 – O Comitê de Comunicação Social do Poder Judiciário realiza, no dia 25 de janeiro, às 14h30, audiência pública para debater diretrizes para facilitação de acesso aos portais dos tribunais. O evento terá transmissão pelo canal do CNJ no YouTube.

Diversos serviços prestados pelo Judiciário são similares em todo o país, como pesquisa e acompanhamento processual, informações sobre o Plantão Judiciário e acesso ao Diário da Justiça e a dados de transparência. Mas, quando uma pessoa vai procurá-los nos portais dos tribunais, ela encontra as informações em lugares diferentes e, em algumas situações, até com outro nome. O objetivo da audiência pública é promover uma padronização mínima para a apresentação de informações institucionais na internet.
 
Órgãos e entidades interessadas em participar devem fazer a inscrição, até quinta-feira (20/1), pelo e-mail audienciapublica2501@cnj.jus.br. A manifestação de interesse deve trazer a indicação expressa do nome da pessoa representante e o assunto a ser tratado. 

O encontro terá a participação de representantes de tribunais, do Ministério Público, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e das defensorias públicas, que vão apresentar suas dificuldades e propor melhoria. A meta é aprimorar os portais com navegação mais intuitiva, elevando a usabilidade. 

A partir das sugestões colhidas na audiência pública, o Comitê de Comunicação vai elaborar a minuta com recomendações, para ser avaliada pelo Plenário do CNJ. Entre as diretrizes do trabalho estão a garantia da liberdade dos tribunais, a harmonia da comunicação com respeito a um padrão mínimo de apresentação das informações e a desburocratização do acesso ao Judiciário.

(Com informações da Agência CNJ de Notícias)

$(‘#lightbox-dwjf_ .slider-gallery-wrapper img’).hover(
function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 0);
}, function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 1);
}
);
$(document).ready(function() {
var dwjf_autoplaying=false;
var dwjf_showingLightbox=false;
const dwjf_playPauseControllers=”#slider-dwjf_-playpause, #slider-dwjf_-lightbox-playpause”;
$(“#slider-dwjf_”).slick({
slidesToShow: 1,
slidesToScroll: 1,
autoplay: dwjf_autoplaying,
swipeToSlide: false,
centerMode: false,
autoplaySpeed: 3000,
focusOnSelect: true,
prevArrow:
”,
nextArrow:
”,
centerPadding: “60px”,
responsive: [
{
breakpoint: 767.98,
settings: {
slidesToShow: 3,
adaptiveHeight: true
}
}
] });
$(“#slider-dwjf_”).slickLightbox({
src: ‘src’,
itemSelector: ‘.galery-image .multimidia-wrapper img’,
caption:’caption’
});
});

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Agente da Fundação Casa deverá receber adicional de periculosidade 

Ele está exposto a violência física no desempenho das atribuições profissionais. 17/05/22 – A Oitava Turma …