‘Design Legal’ facilita entendimento de atos na Justiça maranhense

A técnica de utilizar recursos visuais para comunicar atos do meio judicial e na advocacia está sendo aplicada para facilitar o entendimento das decisões administrativas e judiciais pelo cidadão, pela atual gestão da Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão (CGJ-MA) e por juízes da Justiça de 1º Grau.

Essa técnica, conhecida como “Visual Law” é parte do “Design Legal” e emprega textos, imagens, infográficos, gráficos, tabelas, fluxogramas, linha do tempo, de forma associada, numa combinação simples, direta e didática, que pode ser útil para expor decisões, contratos, petições e documentos legais e administrativos, entre advogados e magistrados, magistrados e partes do processo.

A consequência do uso dessa ferramenta é melhorar a argumentação no discurso jurídico, de base técnica, com textos curtos e forte apelo visual, facilitando o entendimento dos fatos pelas partes envolvidas no processo e promovendo o acesso à Justiça. Pesquisas realizadas por universidades americanas apontam que a aplicação da técnica aumenta em até 95% o nível de compreensão da mensagem.

Na Corregedoria maranhense, o primeiro documento foi produzido no primeiro ano da pandemia, em 20 de outubro de 2020, em um “Ofício Circular” enviado aos delegatários dos cartórios extrajudiciais pelo corregedor-geral da Justiça, desembargador Paulo Velten. O Acompanhou o ato um vídeo explicativo, acessado por um clique no documento virtual, apresentado pelo próprio desembargador, em que orienta sobre o direito da União à isenção do pagamento de emolumentos aos cartorários.

Veja aqui o Ofício Circular da CGJ-MA

Dentre as comarcas, a juíza Michelle Amorim, da 1ª Vara de Presidente Dutra, também aderiu à iniciativa, passando a utilizar a técnica – chamada de “visual law” ou “design legal” -, em suas decisões, de modo a contribuir para a compreensão das decisões judiciais.

O método foi utilizado pela juíza em “Ato Ordinatório” em procedimento na área de juizado especial, em 17 de novembro do mesmo ano, em que orienta as partes sobre a realização de audiência por videoconferência, informa prazos, a forma de intimação e os meios de contato no caso de dúvidas.

Veja aqui o Ato Ordinatório da juíza.

O uso desse modelo pela juíza maranhense foi repercutido em nível nacional pelo Jornal Folha de São Pulo, na edição desta terça-feira, 5 de abril, dentre outras experiências de magistrados brasileiros que já adotaram a prática em suas funções judicantes, com a chegada da pandemia, que provocou o distanciamento social entre os profissionais do sistema de Justiça e as partes processuais.

No caso de Presidente Dutra, o design jurídico foi utilizado na comunicação dos contatos eletrônicos da unidade; no ingresso às salas virtuais do sistema de videoconferência em audiências e em ações de seguro DPVAT, dentre outros usos.

Fonte: TJMA

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/design-legal-facilita-entendimento-de-atos-na-justica-maranhense/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=design-legal-facilita-entendimento-de-atos-na-justica-maranhense.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Justiça eleitoral gaúcha conclui digitalização de todos os processos

Todos os processos judiciais do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS) estão …