Contratação de coparticipação para tratamento de saúde e tributação de gorjetas estão na nova Pesquisa Pronta – STJ

A página da Pesquisa Pronta divulgou seis entendimentos do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Produzida pela Secretaria de Jurisprudência, a nova edição aborda, entre outros assuntos, a contratação de coparticipação para tratamento de saúde em percentual ou em montante fixo e a impossibilidade de tributar gorjetas, ante a sua natureza salarial.

O serviço tem o objetivo de divulgar as teses jurídicas do STJ mediante consulta, em tempo real, sobre determinados temas, organizados de acordo com o ramo do direito ou em categorias predefinidas (assuntos recentes, casos notórios e teses de recursos repetitivos).

Direito civil – Contratos

Plano de saúde. Contratação em regime de coparticipação em percentual ou montante fixo.

“O posicionamento adotado pela jurisprudência do STJ é firme no sentido de que a contratação de coparticipação para tratamento de saúde, seja em percentual ou seja em montante fixo, desde que não inviabilize o acesso ao serviço de saúde, é legal. Todavia, é vedada a cobrança de coparticipação apenas em forma de percentual nos casos de internação, com exceção dos eventos relacionados à saúde mental, hipótese em que os valores devem ser prefixados e não podem sofrer indexação por procedimentos e/ou patologias (artigos 2º, VIII, e 4º, VII, da Resolução CONSU 8/98).”

REsp 1.947.036/DF, Rel. ministra Nancy Andrighi, Terceira Turma, julgado em 22/02/2022, DJe 24/02/2022.

Direito processual civil – Execução

FIES. Penhorabilidade dos valores oriundos da recompra pelo FIES dos certificados financeiros do tesouro – Série E (CFT-E).

“São impenhoráveis os recursos públicos destinados às instituições de ensino superior (IES), no âmbito do FIES, consubstanciados nos Certificados Financeiros do Tesouro – Série E (CFT-E). […] São penhoráveis, por outro lado, os valores oriundos da recompra pelo FIES dos Certificados Financeiros do Tesouro – Série E (CFT-E), notadamente porque há disponibilidade plena sobre tais verbas.”

REsp 1.942.797/PR, rel. ministra Nancy Andrighi, Terceira Turma, julgado em 21/09/2021, DJe 28/09/2021.

Direito processual civil – Recursos e outros meios de impugnação

Tempestividade recursal. Feriado. Segunda-feira de carnaval. Comprovação posterior.

“A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça, quando do julgamento do REsp 1.813.684/SP e da Questão de Ordem subsequente, reafirmou o entendimento de que o feriado local deve ser comprovado no ato da interposição do respectivo recurso, devendo ser observada, exclusivamente acerca do feriado da segunda-feira de Carnaval, a modulação dos efeitos dessa decisão, nos termos do artigo 927, § 3º, do CPC/2015, a fim de que a interpretação consolidada quanto ao tema seja aplicada somente após a publicação do acórdão […].”

AgInt no AREsp 1.649.108/MG, rel. ministro Luis Felipe Salomão, Quarta Turma, julgado em 26/04/2022, DJe 29/04/2022.

Direito processual civil – Prisão preventiva

Prisão preventiva decorrente da conversão ex officio da prisão em flagrante.

“Não há dúvidas de que configura constrangimento ilegal a conversão de ofício da prisão em flagrante em preventiva […]. No entanto, a decisão do magistrado em sentido diverso do requerido pelo Ministério Público, pela autoridade policial ou pelo ofendido não pode ser considerada como atuação ex officio, uma vez que lhe é permitido atuar conforme os ditames legais, desde que previamente provocado, no exercício de seu poder de jurisdição.”

HC 686.272/MG, rel. ministro Rogerio Schietti Cruz, Sexta Turma, julgado em 19/04/2022, DJe 25/04/2022.

Direito processual penal – Recursos

Admissibilidade recursal. Embargos de divergência contra decisão monocrática.

“Nos termos do art. 266, caput, do RISTJ e do art. 1.043, incisos I e III, do Código de Processo Civil, os embargos de divergência são cabíveis contra julgados prolatados por órgãos colegiados do Superior Tribunal de Justiça, não sendo admissível sua interposição em adversidade à decisão monocrática do relator.”

AgRg nos EAREsp 1.685.306/SP, rel. ministro Reynaldo Soares da Fonseca, Terceira Seção, julgado em 28/10/2020, REPDJe 12/11/2020, DJe 03/11/2020.

Direito tributário – Tributos

Tributação. Valores recebidos a título de gorjetas.

“É tranquilo o posicionamento do STJ no sentido de que o valor pago a título de gorjetas, ante a sua natureza salarial, não pode integrar o conceito de faturamento, receita bruta ou lucro para fins de apuração do PIS, da COFINS, do IRPJ e da CSLL.”

AgInt no REsp 1.668.117/PR, rel. ministro Sérgio Kukina, Primeira Turma, julgado em 21/02/2022, DJe 24/02/2022.

Sempre disponível

A Pesquisa Pronta está permanentemente disponível no portal do STJ. Para acessá-la, basta clicar em Jurisprudência > Pesquisa Pronta, a partir do menu na barra superior do site.

Fonte Oficial: http://www.stj.jus.br/sites/portalp/Paginas/Comunicacao/Noticias/12052022-Contratacao-de-coparticipacao-para-tratamento-de-saude-e-tributacao-de-gorjetas-estao-na-nova-Pesquisa-Pronta.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Terceira Seção decide que Justiça Federal deve assumir investigação sobre Chacina do Parque Bristol – STJ

Por unanimidade, a Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acolheu nesta quarta-feira (10) …