Uso de máscara continua obrigatório no TST para prevenir contágio pela covid-19

Transmissão continua e medidas de proteção são necessárias para evitar aumento no número de contágios

17/05/2022 – O Tribunal Superior do Trabalho (TST) continua exigindo o uso de máscara facial de proteção para prevenir o contágio pelo novo coronavírus. De acordo com a  secretária de Saúde do TST, Esterlina de Araújo, a utilização do item é importante e ainda muito necessária. “A covid-19 ainda não desapareceu completamente em nenhum país do mundo. Temos tido notícias de pessoas que tem circulado sem máscara pelas dependências do Tribunal. É preciso lembrar que os casos aumentaram no Distrito Federal e também aqui no TST nos últimos dias”.

De acordo com ela, a transmissão ainda é perigosa para pessoas com comorbidades e pessoas idosas, além dos perigos das sequelas que a doença pode causar em quem é contaminado. A secretária de saúde destaca que a Secretaria de Saúde tem tido resultados positivos para covid-19 de pessoas sem febre, sem alteração de saturação e sem dor no corpo, apenas com espirro, pouca tosse ou coriza. “Como os sintomas estão cada vez mais silenciosos, as pessoas têm que tomar bastante cuidado, principalmente as idosas ou com comorbidade e as que convivem com esse grupo de pessoas”, pontuou.

Sequelas 

Esterlina de Araújo explica que, por ser recente, ainda não é possível saber sobre todas as sequelas que a covid-19 pode causar a longo prazo, porém alguns estudos sugerem que pegar a doença pode causar alterações no cérebro. Ela contou sobre um estudo recente da Revista Nature (EUA), que revelou que cientistas encontraram diferenças significativas em exames de ressonância magnética realizados em pacientes antes e depois da infecção. 

O estudo detectou que, mesmo após uma infecção leve, o tamanho geral do cérebro havia encolhido um pouco, com menos massa cinzenta nas partes relacionadas ao olfato e à memória. “Isso é mais um motivo para tentar se prevenir a transmissão, porque até pessoas que já tiveram a covid-19 uma vez podem ter novamente e não sabemos quais consequências isso pode causar”, enfatiza.

Ainda de acordo com a profissional, servidores que tiveram a doença apresentaram sequelas importantes como hipertensão intracraniana, problemas de memória, síndrome da fadiga crônica, pessoas que se tornaram diabéticas posteriormente, além de sequelas neurológicas.

Máscara

A secretária de saúde explica que as máscaras de pano (com três camadas de proteção), máscaras cirúrgicas e PFF2/N95 protegem contra o novo coronavírus, o que muda é o tipo de proteção. “As PFF2/N95 filtram mais o ar, podem ser usadas por mais tempo e reutilizadas. A cirúrgica protege menos, mas ainda é eficaz e deve ser utilizada por um período menor de tempo devido à umidade. Já a de pano deve ter, no mínimo, três camadas. Nenhuma das três pode ter válvula, porque elas protegem só quem está utilizando, já que não evitam a transmissão”.

Saiba mais sobre todos os cuidados que devem ser tomados ao circular nas dependências do TST.

(Nathalia Valente/GS)

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Gestante e empregada que sofreu aborto serão indenizadas por ócio forçado | Giro pelas Turmas

01/07/22 – Confira alguns julgamentos de destaque das Turmas do TST: (00:10) Em duas decisões …