SE: Judiciário e Executivo debatem propostas para aprimorar Escritório Social

Durante ação de monitoramento dos serviços prestados pelo Escritório Social em Sergipe, na última quinta-feira (12/5), foram realizadas reuniões entre representantes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do Tribunal de Justiça de Sergipe (TJSE), da Secretaria estadual da Justiça, do Trabalho e de Defesa do Consumidor (Sejuc) e do Ministério Público do Trabalho. O CNJ apresentou observações para a aprimorar o funcionamento do Escritório Social, que contou com visitas in loco.

Conforme avaliou o desembargador Diógenes Barreto, supervisor do Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas (GMF) do TJSE, a avaliação é importante porque traz sugestões para aprimoramento. “Estamos retornando de uma pandemia, a qual impediu alguns trabalhos nessa área e fortalecer o funcionamento desse serviço junto com o Poder Executivo. Inclusive, temos uma perspectiva de melhoria do serviço, uma vez que a Secretaria de Justiça está procurando ampliar o espaço físico, contratar mais equipes.”

O Escritório Social é um serviço projetado para acolher e encaminhar pessoas egressas do sistema prisional para as políticas públicas existentes, além de auxiliar os estabelecimentos prisionais no processo de preparação para a liberdade e mobilizar e articular as redes para a garantia de direitos aos egressos e seus familiares. “O Escritório recebe o egresso que posteriormente vai conviver em sociedade e precisa de uma orientação voltada para o trabalho, para sustento seu e de família, de forma que ele não retorne ao crime”, explicou o desembargador.

O projeto faz parte do programa Fazendo Justiça, parceria do CNJ com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) e com o apoio do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Em Sergipe, ele foi instalado em 2020 e atualmente funciona no Fórum Olímpio Mendonça, onde está situada a Vara de Execuções Penais, contando com uma equipe de duas assistentes sociais e um psicólogo.

De acordo com o secretário estadual de Justiça, Cristiano Barreto, o serviço contará com uma expansão por meio de recursos de convênio celebrado com o Depen, em um espaço junto à Secretaria de Assistência Social, anexo ao Núcleo de Atendimento ao Trabalhador. “Estamos em fase de execução de um convênio de recursos do Ministério da Justiça que possibilitará a ampliação e contratação de uma equipe disciplinar e um acolhimento de todos os egressos e seus familiares, a partir do aumento dessa demanda que tem surgido com a procura do Escritório Social.”

Fonte: TJSE

Macrodesafio - Aprimoramento da gestão da Justiça criminal

Fonte Oficial: https://www.cnj.jus.br/judiciario-e-executivo-debatem-propostas-para-aprimorar-escritorio-social/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=judiciario-e-executivo-debatem-propostas-para-aprimorar-escritorio-social.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Judiciário do Amapá inscreve para edição do Casamento Homoafetivo na Comunidade

O Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), em parceria como o Conselho Estadual dos Direitos …