ganhar dinheiro com fake news é crime — Tribunal Superior Eleitoral

“A desinformação gera dinheiro. Como? 1. Promovendo produtos ou serviços, como respostas milagrosas a doenças aflitivas; e 2. Estimulando acessos a conteúdos hospedados em plataformas que remuneram quem produz a desinformação, de acordo com a sua capacidade de gerar atenção – isso também se chama monetização”.

Muito cuidado! Ajudar a disseminar conteúdo falso na internet pode configurar crime. E eventuais valores adquiridos de forma ilícita também caracterizam infração legal, que pode ser punida segundo a Justiça brasileira. 

Esse é o oitavo texto da série #DemocraciaEmPílulas, que é publicado durante todos os dias deste mês de junho com mensagens curtas nas redes sociais para reforçar a importância do combate à desinformação no processo eleitoral.

A iniciativa integra uma parceria do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o Tribunal Regional da Bahia (TRE-BA) e tem o objetivo de conscientizar cidadãs e cidadãos sobre a relevância do combate às fake news, uma missão de todos.

Siga os perfis do TSE nas redes sociais e fique por dentro: InstagramFacebookTwitterFlickrYouTube e TikTok. Para mais informações sobre voto seguro, estatísticas eleitorais e serviços úteis ao eleitor, converse com o chatbot do Tribunal no WhatsApp.

TP/LC

 

Fonte Oficial: https://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2022/Junho/pilulas-contra-a-desinformacao-ganhar-dinheiro-com-fake-news-e-crime.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Presidente do TSE abre exposição em homenagem a mulheres de destaque no país — Tribunal Superior Eleitoral

Na abertura da exposição Mulheres Eternas nesta quarta-feira (10), na sede do Tribunal Superior Eleitoral …