Ministro Jorge Mussi: Jornada de Direito Notarial vai colaborar para o aprimoramento dos serviços judiciários – STJ

O Conselho da Justiça Federal (CJF), por intermédio do Centro de Estudos Judiciários (CEJ), promoverá, nos dias 4 e 5 de agosto, na sede do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), no Recife, a I Jornada de Direito Notarial e Registral. As propostas de enunciados devem ser encaminhadas por meio do formulário disponível no Portal do CJF, até 27 de junho, com limite de três propostas por pessoa.

Durante o encontro, serão formadas seis comissões de trabalho, todas presididas por ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), as quais tratarão dos seguintes temas: registro civil das pessoas naturais; registro de imóveis; registro de títulos e documentos e civil das pessoas jurídicas; tabelionato de notas; protesto de títulos; o juiz e a atividade notarial e registral.​​​​​​​​​

Ministro Jorge Mussi, coordenador-geral da I Jornada de Direito Notarial e Registral.

A coordenação-geral da jornada está a cargo do vice-presidente do STJ e do CJF, ministro Jorge Mussi, que é diretor do CEJ e corregedor-geral da Justiça Federal.

Em entrevista, o magistrado ressalta a importância do evento para a comunidade jurídica e para a sociedade em geral, destacando que, diante do acúmulo de processos nos órgãos judiciários, “é preciso criar soluções inovadoras, sendo que uma das vertentes mais proeminentes no meio acadêmico e jurídico da atualidade é a realização de ações que contribuam para a desjudicialização”. Segundo ele, “esse é o propósito inequívoco desta I Jornada de Direito Notarial e Registral“.

Qual foi a motivação para a criação de uma jornada dedicada exclusivamente ao direito notarial e registral?   

Ministro Jorge Mussi – O Poder Judiciário brasileiro passa por um momento de intenso diálogo e colaboração entre todos os segmentos da Justiça, do que se evidencia um claro propósito de serem desenvolvidos mecanismos proativos para a gestão judiciária, com ênfase na melhoria da entrega do serviço jurisdicional.

Trazendo os jurisdicionados para o centro dos debates, tem-se que a mora judicial é a principal ##reclamação## que nos afasta da eficiência desejada por eles.

Como, então, resolver o paradoxo: aumento da produtividade com a mesma estrutura orgânica e funcional, ante as restrições legais e orçamentárias que nos impedem de aumentar cargos de juízes e servidores?

A busca de soluções para essa realidade perpassa pela indispensável análise do nosso acervo processual, no qual verificamos que o passivo é composto por uma infinidade de demandas cuja solução poderia ser realizada de outras maneiras consensuais e legais, sem a intervenção do Judiciário.

Por outro lado, as demandas estruturais, cujas soluções pressupõem a atuação efetiva do Poder Judiciário para a salvaguarda de direitos, ficam prejudicadas pela massiva judicialização.

Gerir essa equação multifacetária, com a finalidade de superar o problema sistêmico do acúmulo processual em nossas varas judiciais e melhorar a eficiência na entrega do serviço, com efeito, não é nada fácil; bem por isso, é preciso criar soluções inovadoras, sendo que uma das vertentes mais proeminentes no meio acadêmico e jurídico da atualidade é a realização de ações que contribuam para a desjudicialização, sendo esse o propósito inequívoco desta I Jornada de Direito Notarial e Registral.

Qual a sua avaliação sobre a importância da jornada para a Justiça Federal e para o universo jurídico?   

Ministro Jorge Mussi – O Conselho da Justiça Federal, por meio das Jornadas de Direito realizadas pelo Centro de Estudos Judiciários, tem exercido um importante papel no desenvolvimento de ações científicas que objetivam o avanço do Poder Judiciário em diversos setores, contribuindo, assim, para o desenvolvimento sustentável de instituições eficazes, meta que já era anseio da Constituição Federal de 1988, tendo sido reforçada com a internalização, à Estratégia Nacional do Poder Judiciário 2021-2026, dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 das Nações Unidas.

Bem sabemos que a função notarial e registral, ao longo da história, tem constituído robusto instrumento de regulação das relações jurídicas, conferindo fé pública e segurança, por meio da publicidade e da autenticidade correlatas aos serviços que são executados por delegação do Estado.

Assim, não só para a Justiça Federal, mas para todo o sistema de justiça brasileiro, será de extrema relevância discutirmos a utilização deste segmento para a implementação de novos contornos à cultura da judicialização, bem como para assentarmos novos marcos interpretativos sobre o assunto.

Quanto à desjudicialização, como o Sr. vê a atuação preventiva do Poder Judiciário?

Ministro Jorge Mussi – As ações tendentes à desjudicialização objetivam, em última análise, promover a cultura da boa-fé e da consensualidade em nosso sistema judicial.

A Justiça brasileira tem sido excessivamente demandada porque somos um poder que se legitima pela confiança dos cidadãos. Mas, se não criarmos mecanismos para restringir a exponencialização das demandas de massa, como garantiremos que, a longo prazo, ainda manteremos essa plena confiança da sociedade, à medida que, a cada dia, os processos aumentam e a qualidade dos julgados inversamente diminui, dando ensejo a infindáveis recursos às instâncias superiores, e o que resta são serventias e tribunais cada vez mais assoberbados?

Por óbvio, não se pretende estabelecer óbices a que os cidadãos permaneçam trazendo suas demandas ao Judiciário, se assim o desejarem, mas que, quando o façam, sejam cientes da existência de outros mecanismos capazes de resolver os seus problemas mais simples.

Além disso, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) estabeleceu a Meta 9, a respeito, justamente, da atuação dos órgãos do Poder Judiciário em ações de ##prevenção## de litígios ou desjudicialização.

Desse modo, vejo que a ciência jurídica a ser colaborativamente desenvolvida nesta Jornada de Direito Notarial e Registral será de fundamental importância para o encontro de fontes resolutivas para os problemas estruturais relacionados à judicialização massiva.

Quais são as suas expectativas para os debates desta primeira edição?   

Ministro Jorge Mussi – Considerando o alto nível dos participantes, tenho certeza de que esta primeira edição da Jornada de Direito Notarial e Registral fortalecerá a ciência jurídica e promoverá condições ao delineamento de posições interpretativas sobre o direito notarial e registral contemporâneo, adequando-as às inovações legislativas, doutrinárias e jurisprudenciais, a partir dos debates a serem realizados entre especialistas e professores no seio das comissões temáticas.

O prazo para o envio de enunciados foi prorrogado para 27 de junho. Qual a importância da participação da comunidade jurídica na apresentação de propostas de enunciados ao evento?

Ministro Jorge Mussi – Ampliamos o prazo para o envio das propostas de enunciados até 27 de junho para assegurar maior adesão possível não só da comunidade jurídica, mas da sociedade em geral.

Portanto, deixo aqui um convite especial a todos os interessados no sentido de que participem desta I Jornada de Direito Notarial e Registral, que objetiva analisar temas contemporâneos desse ramo do direito, com foco em ações tendentes à desjudicialização, o que muito contribuirá para o desafogo do sistema de justiça brasileiro.

Tenho afirmado, em minha atuação à frente da Corregedoria-Geral da Justiça Federal, que o futuro do Poder Judiciário é colaborativo, e que os esforços individuais para o alcance de propósitos coletivos são fundamentais no aprimoramento dos serviços judiciários.

Neste evento em específico, dada a transversalidade dos segmentos envolvidos, teremos a oportunidade de debater uma possível cooperação com serventias extrajudiciais, com vistas ao aprimoramento dos nossos serviços judiciais.

Será um momento único e histórico. Portanto, convoco os estimados leitores a participar, encaminhando suas propostas de enunciados para que sejam apreciadas no âmbito das comissões temáticas.

Fonte Oficial: http://www.stj.jus.br/sites/portalp/Paginas/Comunicacao/Noticias/22062022-Ministro-Jorge-Mussi-Jornada-de-Direito-Notarial-vai-colaborar-para-o-aprimoramento-dos-servicos-judiciarios.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Réu pode ser condenado a pagar custas e honorários em ação civil pública ajuizada por associação privada – STJ

​A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu que, em ação civil pública …