Live na TV TST esclarece dúvidas sobre teletrabalho e trabalho híbrido para celetistas

Tema foi escolhido em celebração à marca de 200 mil inscritos no canal oficial do TST, no YouTube. Ministro Agra Belmonte respondeu a perguntas de internautas.





Ministro Alexandre Agra Belmonte durante a transmissão da live, nesta quarta-feira (22)





23/06/2022 – Nesta quarta-feira (22), o Tribunal Superior do Trabalho (TST) comemorou a marca de 200 mil inscritos no TST Tube, canal oficial do órgão no YouTube, com uma live que abordou teletrabalho e trabalho híbrido para empregados celetistas. O tema foi escolhido pelo público, em uma enquete promovida no Instagram oficial do órgão. 

A transmissão contou com a presença do ministro Alexandre Agra Belmonte. Ele destacou que o regime de trabalho remoto ganhou relevância e transformou-se a partir da pandemia da covid-19. “Ele pode ser prestado em homeoffice (na casa do empregado), em coworking (espaços compartilhados de trabalho) ou de forma móvel”, salientou, destacando que a CLT passou a contemplar a possibilidade de trabalho híbrido. Essa foi uma das mudanças trazidas pela Medida Provisória (MP) nº 1.108/2022. O texto passou a considerar que o comparecimento do empregado às dependências do empregador, para realizar atividades específicas, ainda que de modo habitual, não descaracteriza o regime de teletrabalho. 

Durante a transmissão, o ministro esclareceu dúvidas de internautas e também comentou tendências de transformação nas relações de trabalho decorrentes do advento de novas tecnologias, o que exigirá a atualização das normas trabalhistas. “Vamos precisar adequar a legislação à medida que as questões relacionadas ao teletrabalho forem surgindo. Ele vai alcançar um ponto em que teremos o chamado metaverso, no qual as pessoas irão se relacionar em um mundo virtual. Talvez esse seja o futuro”, disse. 

Agra Belmonte abordou, também, dificuldades trazidas por essa forma de trabalho, como a sensação de solidão e os desafios que existem para a inserção de empregados nesse regime, como qualificação e inclusão digital.   

A gravação da live está disponível no TST Tube:

Canal oficial do TST no YouTube

O canal do TST no YouTube disponibiliza diversos conteúdos produzidos pela TV TST, como matérias jornalísticas, séries exclusivas, vídeos de campanhas institucionais, além de transmitir sessões de julgamento, eventos e conteúdos relacionados ao Direito Trabalhista.  

(Natália Pianegonda/RT)

Leia também:

Conteúdos especializados em áudio e vídeo ampliam acesso à informação sobre a Justiça do Trabalho 

$(‘#lightbox-fyvz_ .slider-gallery-wrapper img’).hover(
function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 0);
}, function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 1);
}
);
$(document).ready(function() {
var fyvz_autoplaying=false;
var fyvz_showingLightbox=false;
const fyvz_playPauseControllers=”#slider-fyvz_-playpause, #slider-fyvz_-lightbox-playpause”;
$(“#slider-fyvz_”).slick({
slidesToShow: 1,
slidesToScroll: 1,
autoplay: fyvz_autoplaying,
swipeToSlide: false,
centerMode: false,
autoplaySpeed: 3000,
focusOnSelect: true,
prevArrow:
”,
nextArrow:
”,
centerPadding: “60px”,
responsive: [
{
breakpoint: 767.98,
settings: {
slidesToShow: 3,
adaptiveHeight: true
}
}
] });
$(“#slider-fyvz_”).slickLightbox({
src: ‘src’,
itemSelector: ‘.galery-image .multimidia-wrapper img’,
caption:’caption’
});
});

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Gestante e empregada que sofreu aborto serão indenizadas por ócio forçado | Giro pelas Turmas

01/07/22 – Confira alguns julgamentos de destaque das Turmas do TST: (00:10) Em duas decisões …