Painel sobre PLS marca encerramento do seminário de sustentabilidade do Judiciário – STJ

IX Seminário de Planejamento Estratégico Sustentável do Poder Judiciário – promovido pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) – foi encerrado, na tarde de quinta-feira (30), com palestras sobre os Planos de Logística Sustentável (PLS) na administração pública.

O painel “ODS 12: Produção e Consumo Responsável – PLS como Instrumento Diretriz de Contratações” teve a participação de Tânia Lopes Pimenta, secretária de Controle Externo de Aquisições Logísticas do Tribunal de Contas da União, e de Renato Fenili, secretário-adjunto de Gestão do Ministério da Economia. O painel foi mediado pela assessora-chefe da Assessoria de Gestão Sustentável (AGS) do STJ, Ketlin Feitosa de Albuquerque.

Sustentabilidade como compromisso

O seminário debateu diversos temas ligados a compras sustentáveis, transparência, mudança climática e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

Na sua palestra, Tânia Lopes observou que a nova Lei de Licitações (Lei 14.133/21) ampliou muito as possibilidades do PLS. “A sustentabilidade é um compromisso com ética, tratamento isonômico entre licitantes, preocupações ambientais e sociais etc., que devem ser critérios para as contratações”, afirmou. Ela disse que a organização deve definir sua missão e produto e depois definir seus planos, como o de obras, gerenciamento de resíduos e outros, todos perpassados pelo PLS. “Os PLS definem as diretrizes para as quais todas as contratações devem convergir”, esclareceu.

Segundo Tânia Lopes, entre as novidades da lei, as contratações e compras não devem ser vistas hoje apenas pelo menor preço, mas como o “ciclo de vida” do serviço ou produto. “Isso vai da produção, uso até o descarte, garantindo o melhor uso do recurso público”, salientou. Outra tendência é a reavaliação de grandes contratos, com a gestão de dados e o foco nos resultados. “O STJ deu um grande exemplo de transparência e de eficiência com a disponibilização dos painéis BI com dados no tribunal”, comentou.

Ferramenta de análise

Ketlin Feitosa observou que o PLS não é só um repositório de dados, mas uma ferramenta de análise de cenários para racionalizar a gestão. “Ainda estamos em um processo de maturação dos gestores para aplicar melhor o plano de logística sustentável”, afirmou.

Já Renato Fenili destacou que o PLS é uma ferramenta essencial para a gestão pública. “Temos que lembrar que a licitação sustentável são as próprias licitações. Pela legislação, para ser legal, a licitação deve ser sustentável”, asseverou. Outro ponto que ele levantou foi que o desenvolvimento sustentável é um dos princípios da Lei de Licitações. “O PLS é um caminho para chegar ao melhor resultado na licitação e contribuir com o desenvolvimento sustentável”, disse. Para ele, esse desenvolvimento foi o somatório de políticas públicas.

As licitações sustentáveis não seriam só compras verdes, alertou o palestrante. “Nesse sentido, o STJ é uma referência pela maturidade de seu PLS, por observar o impacto social de suas contratações”, concluiu.

Fonte Oficial: http://www.stj.jus.br/sites/portalp/Paginas/Comunicacao/Noticias/01072022-Painel-sobre-PLS-marca-encerramento-do-seminario-de-sustentabilidade-do-Judiciario.aspx.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Comentários

Produtos Recomendados

Confira Também

Excepcionalmente, CDC pode incidir nos contratos de sociedade em conta de participação – STJ

​A Terceira Tuma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu que, para a incidência excepcional …