Debatedores apontam teor punitivo de projeto de responsabilidade educacional — Senado Notícias

Debatedores manifestaram preocupação com o teor punitivo do PL 88/2023, que trata da responsabilidade educacional na garantia de oferta e de padrão de qualidade na educação básica pública. A audiência pública foi realizada pela Comissão de Educação (CE) na tarde desta quinta-feira (22). Essa foi a quarta audiência para debater o projeto de autoria do presidente da CE, senador Flávio Arns (PSB-PR), relatado pelo senador Confúcio Moura (MDB-RO). Pelo texto, os prefeitos que não cumprirem as metas governamentais na área da educação estariam sujeitos a ação civil pública e poderiam ser enquadrados em crimes de responsabilidade

A senadora Teresa Leitão (PT-PE) foi quem coordenou a reunião. É dela o requerimento para a série de debates sobre o projeto. Para a senadora, é importante colher sugestões de especialistas em educação para melhorar a proposta. Ela agradeceu as sugestões que têm chegado à comissão por meio das audiências e disse que o senador Arns está aberto a fazer alterações no projeto.

— Não queremos uma lei meramente punitiva, mas queremos uma lei pedagógica — explicou a senadora.

 

Prefeitos

O prefeito de Jacareí (SP) e vice-presidente de Assuntos Jurídicos da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), Izaias Santana, pediu cuidado com a criação de normas que atingem toda a Federação. Ele lembrou que são mais de 5 mil municípios, com diversas realidades locais. Segundo Santana, a forma como o projeto trata o crime de responsabilidade para prefeitos foge do padrão das leis e da Constituição de 1988. O prefeito também chamou a atenção para “o risco da hipernomia”, quando muitas leis tratam de um mesmo assunto, às vezes até com divergências entre os textos.

— No projeto, tipificamos prefeitos e governadores, mas excluímos o responsável pelo financiamento da educação, que é o presidente. Estamos criando uma discriminação não tolerada pela Constituição, já que o ensino é responsabilidade compartilhada — argumentou Santana.

A prefeita de Juiz de Fora (MG) e vice-presidente de Educação da FNP, Margarida Salomão, classificou o PL 88/2023 como importante, por tratar da qualidade da educação. Ela disse reconhecer a boa intenção da proposta e ver pontos positivos no texto. Porém, afirmou que a FNP tem uma posição contrária ao projeto, que traria o risco de criminalizar os gestores municipais, que são a “parte mais fraca da Federação”. Para a prefeita, é fundamental implementar as disposições de controle que já existem.  

— Há insuficiência crônica e estrutural de meios para assegurar alguns objetivos, como a universalização do acesso à creche. Cadê os recursos para isso? — questionou a prefeita.

O secretário de Articulação Intersetorial do Ministério da Educação (MEC), Maurício Holanda Maia, também disse ver o risco de “a corda quebrar” no lado mais fraco. Ele manifestou preocupação com a forma como projeto trata o controle externo para os prefeitos. Maia disse que a presença dos órgãos de controle é importante para o país, mas pediu o que chamou de racionalidade política sobre a gestão pública. Informou que já enviou sugestões de emendas para o senador Arns.

   

Resultados

O professor Fernando Luiz Abrucio, da Fundação Getúlio Vargas (FGV), disse que é importante ter uma lei que pense a qualidade da educação no país. Segundo o professor, há avanços desde a Constituição de 1988, mas há ainda muito a fazer para conseguir “a revolução da educação”. Ele reconheceu que é meritório ter uma gestão voltada para resultados, entretanto apontou alguns problemas no texto do projeto. Para o professor, é um erro vincular resultado e punição. Ele sugeriu parcerias com os órgãos de controle na busca da qualidade do ensino, e mais insumos para que os resultados sejam alcançados.

— Os que tiverem melhores resultados vão ganhar mais recursos. Isso é ótimo. Mas quem não tiver grandes resultados não deveria ser preso. Nenhum país com educação de qualidade avançou com punição, mas com parceria — alertou Abrucio.

Para o secretário Extraordinário para a Transformação do Estado do Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Francisco Gaetani, as leis mais rigorosas não garantem necessariamente o aumento da qualidade da educação pública. Gaetani disse que a responsabilização é apenas um elemento em favor dos resultados e defendeu mais investimentos na capacitação dos servidores da educação.

— Estamos tão preocupados com a responsabilização, que estamos esquecendo os meios para que os governos funcionem — ponderou o secretário.

 

Interativa

A audiência foi realizada de forma remota e com caráter interativo, com a participação de cidadãos. A senadora Teresa destacou algumas mensagens que chegaram à comissão por meio do portal e-Cidadania. O internauta Vanderley Gomes, da Bahia, disse que o poder estatal tem responsabilidade no aumento da qualidade do ensino. Já Giovanni Bonissoni, de Santa Catarina, chamou a atenção para a importância de um plano de longo prazo para melhorar a educação pública no país.   

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2023/06/22/debatedores-apontam-teor-punitivo-de-projeto-de-responsabilidade-educacional.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Confira Também

Debate sobre fim dos ‘saidões’ expõe desafios da ressocialização — Senado Notícias

“As autorizações de saída representam um considerável avanço penalógico e os seus resultados são sempre …