OAB garante à advocacia vaga de desembargador ao quinto constitucional no TRF-2 – OAB

O Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) reconheceu que é da advocacia a vaga decorrente da aposentadoria do desembargador federal Paulo Espírito Santo. A decisão foi tomada no tribunal pleno, por maioria de votos, e contou com a sustentação oral do procurador-geral do Conselho Federal da OAB, Ulisses Rabaneda. 

Para o procurador-geral da OAB Nacional, Ulisses Rabaneda, a decisão foi importante, pois “garantiu à advocacia ter uma vaga a mais na Corte em relação ao Ministério Público, que até então estava em superioridade”. Para ele, “esse julgamento restabelece o equilíbrio necessário nas vagas perante o TRF-2”, finalizou. 

Antes da ampliação do Tribunal, feita por meio da Lei nº 14.253, de 2021, havia um equilíbrio entre as vagas do quinto constitucional: eram três desembargadores oriundos da advocacia e três do Ministério Público Federal (MPF). Com a mudança, foram criadas oito vagas. Assim, sete dos 35 cargos de desembargador federal devem ser destinados ao quinto constitucional. 

Das sete vagas destinadas ao quinto constitucional, duas estão pendentes de preenchimento: uma em razão da assunção de Messod Azulay Neto a ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) em dezembro de 2022; e a outra decorrente da aposentadoria de Paulo Espírito Santo, em junho de 2023. O desembargador Messod Azulay Neto ocupava vaga destinada à advocacia e o desembargador Paulo Espírito Santo ocupava vaga destinada ao MPF. 

“Em razão da ampliação, o Tribunal ganhou mais uma vaga destinada ao quinto constitucional, que foi preenchida em 1º de julho de 2022 pelo desembargador federal Wanderley Sanan Dantas, oriundo do Ministério Público Federal”, pontuou o presidente do TRF2, Guilherme Calmon Nogueira da Gama, relator do caso. 

Segundo a Lei Orgânica da Magistratura (Loman), nos tribunais em que o número de vagas do quinto constitucional for ímpar, deve haver alternância na prevalência das classes. “Essa alternância prevista na Loman visa garantir a paridade entre advocacia e Ministério Público quanto às vagas decorrentes do quinto constitucional”, disse. 

“De fato, desde a criação da sétima vaga do quinto constitucional por força da Lei nº 14.253/21, a classe que possui o menor número de assentos no Tribunal é a da advocacia”, completou o presidente. 

O art. 94 da Constituição Federal de 1988 estabelece que um quinto das vagas destinadas aos desembargadores dos Tribunais será composto de membros do MP e de advogados, de notório saber jurídico e de reputação ilibada, indicados em lista sêxtupla pelos órgãos de representação das respectivas classes.

Fonte Oficial: http://www.oab.org.br/noticia/61547/oab-garante-a-advocacia-vaga-de-desembargador-ao-quinto-constitucional-no-trf-2.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Confira Também

Em comemoração aos 180 anos, IAB lança livro durante colóquio na Universidade de Coimbra – OAB

O Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB) realizará, na próxima quinta-feira (29/2), Colóquio Comemorativo na Universidade …