in

Vai a Plenário regime especial para aluno em tratamento ou com filho pequeno

Estudantes do ensino básico e superior que estejam impossibilitados de frequentar as aulas podem ter direito a um regime escolar especial. A Comissão de Educação e Cultura (CE) aprovou nesta terça-feira (9) o PL 2.246/2022, que busca garantir a continuidade dos estudos para alunos com dificuldades de frequentar aulas em razão de tratamento ou condição de saúde que impeça seu deslocamento. A proposta, que  segue com urgência para o Plenário, também contempla as mães lactantes, os pais e mães estudantes com filhos até 3 anos de idade.

O regime especial incluirá a oferta de classes hospitalares e domiciliares durante o período em que se constate a dificuldade de comparecimento dos estudantes mencionados, cuja necessidade seja comprovada, garantida a avaliação escolar, com as adaptações pedagógicas pertinentes.

Apresentado pela senadora Professora Dorinha Seabra (União-TO) quando ela era deputada, o projeto altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB – Lei 9.394, de 1996). Relator na CE, o senador Flávio Arns (PSB-PR) apresentou parecer favorável ao projeto.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Ele apontou que algumas situações especiais de estudantes com dificuldades ou impossibilidade de acessar os estabelecimentos de ensino já são tratadas pela legislação, mas o projeto é mais abrangente, pois inclui todos os níveis de ensino e engloba duas condições ainda não previstas na legislação: a das mães estudantes lactantes e a dos pais e mães estudantes com filhos de até três anos de idade.

— A proposição aperfeiçoa a legislação no esforço de assegurar a todos a continuidade dos estudos escolares — apontou Arns.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

Fonte Oficial: Agência Senado

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Solo Seguro: Semana Nacional de Regularização Fundiária é adiada para após as eleições