in

OAB concede a Leodegária Brazília de Jesus título de inscrita honorária

O Conselho Federal da OAB aprovou por unanimidade a proposta de concessão do título de advogada à professora Leodegária Brazília de Jesus. A medida, que visa reconhecer sua importância histórica e cultural, destaca-se pela contribuição na luta pela igualdade de gênero e racial no Brasil.

A proposição, originária do Conselho Seccional da OAB de Goiás, foi aprovada nesta segunda-feira (17/6) durante a sessão do Conselho Pleno do CFOAB. A relatora do processo, conselheira federal Julinda da Silva (RO), ressaltou a importância de Leodegária como precursora da literatura feminina em Goiás e sua atuação em causas sociais.

No relatório, a conselheira Julinda da Silva destacou que “o Conselho Pleno da OAB-GO, por unanimidade, deferiu o pleito, no sentido de que fosse submetido ao crivo do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, para que a inscrição fosse concedida nos mesmos moldes em que foi realizada a de Luiz Gama e a de Esperança Garcia, com participação conjunta das entidades estadual e federal”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Reconhecimento

Leodegária Brazília de Jesus, nascida em 1889, em Caldas Novas (GO), foi uma figura notável na história cultural e educacional de Goiás. Publicou o primeiro livro de poesia de autoria feminina no estado em 1906 e foi uma ativa militante pela igualdade de direitos, apesar das barreiras impostas pela discriminação racial e de gênero. Em 1928, publicou seu segundo livro, “Orchídea”, e foi reconhecida por seu trabalho na educação e na literatura.

A relatora enfatizou a relevância do reconhecimento simbólico de Leodegária, afirmando que a inscrição honorária “contribui para o resgate da igualdade racial e de gênero, bem como possibilita corrigir erros graves cometidos pelo racismo, e ainda, contra a mulher”.

Veja as fotos da sessão no Flickr da OAB Nacional 

Fonte Oficial: OAB

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Trabalho infantil entre crianças de 5 a 9 anos aumentou 21% entre 2016 e 2022

CRA vai debater ações do Incra frente às invasões de terras