Carnaval pode ser feriado, ponto facultativo ou dia normal de trabalho

Imprimir

A data não é considerada feriado nacional.









O Carnaval no Brasil é símbolo de folia ou descanso para grande parte
da população. Mas o que muitos não sabem é que o carnaval e a
quarta-feira de cinzas não são feriados nacionais. Por isso, só é dia
de folga nos estados e nos municípios em que houver lei que considere
a data como feriado ou se houver convenção coletiva de trabalho que
estabeleça o carnaval como período de folga.

É feriado na minha cidade

No Rio de Janeiro, único estado em que o Carnaval é feriado, e nas
cidades em que há previsão por lei municipal, como Belo Horizonte (MG)
e Balneário Camboriú (SC), as pessoas só podem ser requisitadas para
trabalhar se houver autorização na convenção coletiva. 

De acordo com a Súmula 146 do TST, o trabalho prestado em domingos e
feriados, se não for compensado, deve ser pago em dobro, sem prejuízo
da remuneração relativa ao repouso semanal.

Não é feriado, e agora?

Se não houver lei estadual ou municipal prevendo feriado nos dias de
Carnaval, o trabalho pode ser considerado normal, com a possibilidade
de desconto do salário de quem não justificar a ausência, ou ponto
facultativo. Nesse caso, cabe à empresa decidir se libera seus
empregados, e muitas optam por mudar a rotina, por conta da tradição
que o Carnaval representa na cultura brasileira. 

A dispensa pode ser viabilizada por meio de acordo de compensação de
jornada ou da utilização do banco de horas, ou o empregador pode
simplesmente dispensar os empregados, sem nenhuma contrapartida. 

(Nathália Valente/CF)


 

Mais detalhes

Número de visualizações

0
Visualizações

Data de Publicação

09/02/2024

$(‘#lightbox-cwco_ .slider-gallery-wrapper img’).hover(
function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 0);
}, function() {
const $text=$($($(this).parent()).next());
$text.hasClass(‘inside-description’) && $text.fadeTo( “slow” , 1);
}
);
$(document).ready(function() {
var cwco_autoplaying=false;
var cwco_showingLightbox=false;
const cwco_playPauseControllers=”#slider-cwco_-playpause, #slider-cwco_-lightbox-playpause”;
$(“#slider-cwco_”).slick({
slidesToShow: 1,
slidesToScroll: 1,
autoplay: cwco_autoplaying,
swipeToSlide: false,
centerMode: false,
autoplaySpeed: 3000,
focusOnSelect: true,
prevArrow:
”,
nextArrow:
”,
centerPadding: “60px”,
responsive: [
{
breakpoint: 767.98,
settings: {
slidesToShow: 3,
adaptiveHeight: true
}
}
] });
$(“#slider-cwco_”).slickLightbox({
src: ‘src’,
itemSelector: ‘.galery-image .multimidia-wrapper img’,
caption:’caption’
});
});

Fonte Oficial: TST.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Portal do Magistrado.

Confira Também

Presidente e integrantes do TST destacam competência de Flávio Dino, novo ministro no STF

Imprimir A posse ocorreu nesta quinta-feira (22), às 16h, e contou com a presença do …